Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Leite de Vasconcelos

Jornalista e escritor moçambicano, Teodomiro Alberto Azevedo Leite de Vasconcelos nasceu a 4 de agosto de 1944, em Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo, Portugal.
Sobrinho do etnólogo e linguista José Leite de Vasconcelos, o jornalista foi para Moçambique com um ano de idade, tendo vindo posteriormente a naturalizar-se moçambicano.
Na década de 60, iniciou a sua atividade jornalística na Rádio Aeroclube da Beira, tendo passado para a Rádio Clube de Moçambique, em 1969. Em 1972, partiu para Portugal por motivos políticos. Nessa altura, estudou Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina da Universidade Técnica de Lisboa e exerceu as funções de redator no jornal Expresso, na Rádio Clube Português e na Rádio Renascença, na qual foi também produtor de programas e locutor. Durante o programa "Limite" da Rádio Renascença, Leite de Vasconcelos pôs a tocar a canção "Grândola Vila Morena" de José Afonso, que serviu como senha para o desencadear do golpe de Estado de 25 de abril de 1974.
Depois de regressar a Moçambique, trabalhou na Rádio de Moçambique, onde ocupou várias posições até alcançar o cargo de diretor-geral (1981-1988). Para além disso, foi diretor da Televisão Experimental de Moçambique, vice-presidente da Organização Internacional de Jornalistas (1981-1984), assessor de comunicação do Primeiro-Ministro (1988-1991), presidente do Conselho Deontológico da Organização Nacional de Jornalistas, professor e responsável pedagógico na Escola de Jornalismo de Maputo, declamador e ator de teatro, tendo criado o Teatro Radiofónico na Rádio de Moçambique.
Como escritor, dinamizou várias mesas redondas, escreveu vários roteiros para documentários, destacando-se o roteiro para o filme O Gotejar da Luz (2000) de Fernando Vendrell. Escreveu várias peças de teatro, como As Mortes de Lucas Mateus (2000), as crónicas Pela Boca Morre o Peixe (1999) e os livros de poesia Irmão do Universo (1994) e Resumos, Insumos e Dores Emergentes (1997).
Recebeu vários prémios, destacando-se: os prémios de Melhor Locutor do Ano e de Melhor Programa Radiofónico do Ano (1971), pelo seu programa "A Noite e o Ouvinte"; o prémio de Melhor Programa do Ano (1974), com "Limite" da Rádio Renascença, atribuído pela Casa da Imprensa; a Medalha Julius Fucik (1981), o Prémio de Crónica Aerosa Pena (1988) e o Prémio de Melhor Programa Radiofónico do Ano (1988), com o programa "Sabadar", distinções atribuídas pela Organização Internacional de Jornalistas; o Prémio de 10.º Aniversário da Associação de Escritores Moçambicanos (1991), para o conto "O Lento Gotejar da Luz".
Leite de Vasconcelos faleceu a 29 de janeiro de 1977, em Joanesburgo, África do Sul, vítima de doença prolongada.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Leite de Vasconcelos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-30 16:56:49]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros