Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

liberalismo

As bases da doutrina económica do liberalismo surgiram no século XVIII com os estudos dos economistas clássicos mais representativos: Adam Smith, David Ricardo e Thomas Robert Malthus. Posteriormente, o liberalismo económico foi alvo de diversos apoios e aprofundamentos em simultâneo com críticas por vezes ferozes. De entre os partidários do liberalismo pós-economistas clássicos merecem destaque John Stuart Mill (este ligado ao denominado liberalismo heterodoxo) e Jean-Baptiste Say.
Desde o seu aparecimento como doutrina política e económica, o liberalismo baseia-se num conjunto de pressupostos e ideias, dos quais os mais importantes são: a existência ao nível económico de um conjunto de leis naturais imutáveis (mecanismos económicos de ajustamento de preços, produção, rendimento, etc.) que comandam o funcionamento da atividade económica de uma sociedade; o comportamento natural dos agentes económicos é a maximização da sua satisfação com o menor esforço possível; o livre jogo de iniciativas individuais dos agentes económicos enquadra-se dentro da perspetiva das leis naturais e conduz assim ao equilíbrio da economia, bem como ao retorno a este equilíbrio nas situações em que, transitoriamente, esse equilíbrio não se verifique; a livre concorrência é a melhor solução em termos económicos, devendo por princípio o Estado abster-se de intervir na economia; quando muito, o Estado deve assegurar a existência de bens e serviços que os restantes agentes económicos não estejam interessados em oferecer.
O desenvolvimento do liberalismo político e económico acompanhou de perto no século XIX a Revolução Industrial, sendo o sistema político-económico das principais potências industriais, mas esta acabou por trazer à luz alguns problemas e contradições. De facto, o aumento da dimensão de muitas empresas e a ocorrência de crises económicas acabaram por levar à conclusão de que a livre iniciativa por si só não seria suficiente para garantir o equilíbrio das economias.
Thomas Malthus, economista e demógrafo inglês
Com base neste e noutros fatores, o liberalismo puro foi alvo de várias remodelações, por parte de autores que, defendendo-o, propuseram alterações. É o caso por exemplo de John Stuart Mill, que, sendo adepto do liberalismo, considerou que nem todas as leis do económico são imutáveis.
Paralelamente, o liberalismo foi também alvo de críticas, das quais merecem destaque as proferidas pelos adeptos do socialismo.
Uma questão concreta que foi por muitos autores e correntes contrariada face ao liberalismo puro é o papel do Estado na economia. A este nível devem destacar-se os estudos de John Maynard Keynes, para quem o papel do Estado é importante em economias fora do equilíbrio, nomeadamente no que respeita ao pleno-emprego.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – liberalismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 03:00:11]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais