Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Lirismo romântico

São características essenciais do texto lírico em qualquer época literária a subjetividade, a centralidade no sujeito poético, que busca exprimir-se e revelar-se poeticamente, e o uso do verso. O Romantismo, sob o influxo dos princípios que defendeu - a liberdade artística, o individualismo, a conceção do poeta como génio e da poesia como criação - promoveu uma renovação do género lírico.
Podemos detetar três vertentes no lirismo romântico português: o lirismo tradicional de inspiração popular, o lirismo sentimental e o lirismo filosófico.
Almeida Garrett (1799-1854) abriu caminho, com o poema Adozinda (1828), às recolhas e versões de romances populares, consubstanciadas nos três volumes do Romanceiro (1843-1851). Essa tradição poética de origem medieval, identificada por Garrett com a verdadeira "poesia nacional", ecoará na produção de autores como João de Lemos (1819-1890), Luís Augusto Palmeirim (1825-1893) e José Freire de Serpa Pimentel (1814-1870), que generalizam a moda dos romances (ou rimances), xácaras e solaus, adotando os motivos populares e as metrificações tradicionais.
É Alexandre Herculano (1810-1877) quem primeiro confere ao nosso lirismo romântico uma orientação sentimental. Considerando a poesia, num artigo do Panorama, "monumento da vida íntima" e "companheira da moral", o autor de Eurico fará dela, em A Voz do Profeta (1836) e A Harpa do Crente (1838), expressão do sagrado, de preocupações morais e religiosas. A segunda geração romântica, também designada geração do Ultrarromantismo, exacerbará o tom sentimental do lirismo herculaniano, aplicando-o a uma temática amorosa e egotista, onde abundam os motivos medievais, noturnos e fúnebres, a expressão do desespero e do tédio existencial e a isotopia do amor dececionado, com influência de poetas franceses como Delavigne e Lamartine. Exemplos desta poesia sentimental encontram-se nos poemas A Noite do Castelo e Os Ciúmes do Bardo (ambos de 1836), de António Feliciano de Castilho (1800-1875), e, sobretudo, em coletâneas de poesia como as revistas portuenses O Bardo (1852) e A Lira da Mocidade (1849) e as coimbrãs o Trovador (1844) e o Novo Trovador (1851).
A partir de meados do século XIX, o lirismo sentimental irá tomar progressivamente uma orientação filantrópica. A chamada Geração de 65 ou de 70, formada na leitura dos recentes ou redescobertos modelos europeus, conferir-lhe-á uma vocação social e um suporte filosófico, sob a direção de Antero de Quental (1842-1891), que teoriza e concretiza nas Odes Modernas (1865) um lirismo socialmente militante, alimentado nos conceitos de Ideia, Progresso e Justiça Social, e de Teófilo Braga (1843-1924), autor de Visão dos Tempos e Tempestades Sonoras (ambas de 1864). Segui-los-ão Guilherme de Azevedo (1840-1882), Gomes Leal (1848-1921) e Guerra Junqueiro (1850-1923), entre outros.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Lirismo romântico na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 13:30:48]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais