Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

literatura sânscrita

As obras religiosas da Índia Antiga que sobreviveram contêm inúmeras trivialidades que as situam perfeitamente no seu contexto histórico: informações sobre como moer as especiarias, como subornar os funcionários do governo, como treinar um elefante, etc.
As fontes para o estudo da religião e da mitologia hindu antiga são diversas e, em determinadas situações, são desesperantes, pois cada uma delas nos proporciona informação abundante mas nunca coincidente.
O grande corpus de informação procede da produção em sânscrito e pali e, posteriormente, noutras línguas vernáculas: obras que raramente podemos datar, inclusivamente com uma aproximação de vários séculos, porque os seus autores não só se recusaram a mencionar os seus nomes ou o seu lugar de origem, mas também porque muitas destas obras foram, e continuam a ser, transmitidas integral ou parcialmente por via oral.
A origem do sânscrito é desconhecida mas crê-se que terá sido introduzido pelos guerreiros Arianos (ou Ários) que, provenientes das estepes da Ásia Central, invadiram o vale do Indo e estabeleceram os seus fundamentos religiosos, baseados em castas, que ainda hoje perduram na Índia atual.
No período Védico (1500-600 a. C.) foi composto o Rig Veda, o documento mais antigo da civilização indo-europeia, coleção de hinos numa forma arcaica do sânscrito, que se centravam no ritual védico. Através do Rig Veda conhecemos com segurança alguns aspetos da religião védica. Estas ideias desenvolvem-se extensamente nos Brahamanas, grupo de textos compostos por e para sacerdotes em língua sânscrita no século X a. C. Ainda que o objetivo destes textos seja o de influenciar os sacerdotes na mecânica do sacrifício, fazem referência constante a uma série de mitos que descrevem a origem do ritual e o significado secreto de atos rituais.
Enquanto que os sacerdotes compunham os Vedas, Brahamanas e Upanishads em sânscrito, os habitantes da Índia dedicavam-se ao que sempre tinham feito: contar histórias, apaziguar serpentes, tigres e demónios e fazer imagens de barro ou de madeira de espíritos e divindades potencialmente favoráveis. Este rico núcleo religioso foi recolhido em sânscrito, pela primeira vez, nas duas grandes epopeias da Índia: o Mahabharata e o Ramayana.
O Ramayana ocorre num tempo anterior e posterior ao relatado em Mahabharata, numa altura em que os Arianos se deslocaram para este, e descreve o comportamento das suas tribos e a sua vida política na área que é atualmente Ayodhya. Composto por cerca de 24 000 estrofes, foi escrito por Shri Valmiki e realça sobretudo a lealdade, a devoção e a amizade. É uma epopeia clássica: a história do rei Rama, cuja esposa, Sita, foi raptada pelo demónio Ravana, que a conduziu à sua ilha-fortaleza, tendo sido libertada por Rama com ajuda do macaco Hanuman. Esta obra é dominada não só pelo seu conteúdo poético mas também pelo seu conteúdo religioso.
O Mahabharata, mais antigo que o Ramayana, foi escrito pelo sábio Vyasa e, composto por mais de 90 000 estrofes, é considerado a obra literária mais extensa de todos os tempos. Constitui uma espécie de enciclopédia do hinduísmo, tal como se desenvolveu durante o longo período do Mahabharata, entre o ano 300 a. C. e 300 d. C. Ainda que relate uma história épica, a grande rivalidade entre os kauravas e os pandavas que culmina numa batalha em que todos acabam por ser destruídos, há capítulos e livros inteiros de mitos e contos populares, discursos filosóficos, discursos de pensamento social (dharma) e hinos de louvor aos deuses sectários, Vishnu e Shiva.
Os contos que aparecem na epopeia são amplamente desenvolvidos, codificados e assimilados num grande corpo de literatura sânscrita conhecida como os Puranas, os primeiros dos quais são, provavelmente, contemporâneos das Epopeias e cujo conjunto mais importante foi composto após o ano 455 d. C., ainda que todos eles originários de um corpo mais antigo de crenças. Os temas básicos dos Puranas são as lendas dos reis das dinastias lunares e solares e a descrição do ciclo constante da criação e destruição do Universo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – literatura sânscrita na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 09:21:06]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais