Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Louis-Auguste Blanqui

Socialista revolucionário francês, nascido em 1805, natural dos Alpes Marítimos, do Norte de Itália, e falecido em 1881. Por diversas ocasiões escapou da morte que parecia certa e ficou conotado com uma doutrina socialista denominada Blanquismo, defensora da luta de classes e da aplicação da ditadura do proletariado como alternativa política efetiva ao poder do Estado francês.
No ano de 1839 foi condenado pela primeira vez à morte em resultado das suas atividades revolucionárias, contudo a pena foi suavizada para uma condenação a prisão perpétua. A Revolução Francesa de fevereiro de 1848 proporcionou a sua libertação e empurrou Blanqui para a condução da violenta revolução dos trabalhadores franceses, que culminou com o seu exílio.
Em 1871, estava de novo em França a chefiar a Comuna de Paris. Mais uma vez foi detido, sendo desta vez encarcerado e condenado à pena capital. Oito anos depois (1879) a sua sorte mudou e Blanqui foi perdoado.
O seu trabalho de maior projeção é Critique social, uma obra publicada em 1885, onde o autor reúne os seus ensaios sobre o socialismo e a política económica.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Louis-Auguste Blanqui na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 23:51:57]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros