Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Mali

Geografia
País da África Ocidental. Abrangendo parte do Sul do deserto do Sara, o Mali tem a maior parte do seu território na faixa do Sahel. Tem uma superfície de 1 240 000 km2, faz fronteira com a Argélia, a norte, o Níger, a leste, o Burkina Faso, a sudeste, a Costa do Marfim a sul, a Guiné a sudoeste, e o Senegal e a Mauritânia a oeste.
As principais cidades são Bamako, a capital, com 953 600 habitantes (2004), Ségou (102 200 hab.), Mopti (115 500 hab.), Sikasso (127 900 hab.) e Gao (39 000 hab.).
O Rio Níger, no Mali
Mesquita de estilo antigo, Djene, Mali
Silos típicos para cereais, Mali
Bandeira do Mali
Cabanas de montanha, Aldeia de Dogon, Mali
O relevo do Mali é essencialmente formado por planícies e planaltos. A vida do país é marcada, ainda, pela presença de dois dos principais rios da África Ocidental, o Senegal e o Níger.
Clima
O clima do Mali é tropical seco, no Sul, e desértico, no Norte. Nas áreas de clima tropical seco registam-se duas estações distintas: uma seca, muito longa, que vai de novembro a junho, e uma estação húmida, que ocorre entre junho e outubro, e que é ainda influenciada pelas monções vindas do sudoeste.
Economia
O Mali tem, nas suas regiões mais a sul, as áreas de maior atividade humana, já que o Norte do país faz parte do Sara. É nestas regiões, mais precisamente nos vales dos rios Senegal e Níger e seus afluentes que, por exemplo, a agricultura, o mais importante setor económico, é praticada por mais de 80% da população ativa com o objetivo de assegurar a subsistência. Os esforços governamentais para a evolução deste setor têm sido infrutíferos, devido aos constantes períodos de secas, bem como ao baixo nível de tecnologia disponível. A indústria também não se encontra em melhor estado, pois baseia-se em pequenas empresas de transformação de produtos agrícolas, como o arroz ou o algodão. Por outro lado, o Mali possui uma atividade piscatória bastante considerável, tal é a riqueza de peixe existente nos deltas do interior. Quanto aos recursos mineiros, eles são extensos, embora a sua exploração seja mínima, o mesmo acontecendo em relação à produção hidroelétrica, situação que poderá melhorar com a construção da barragem do Manantali subsidiada pela Organização para o Desenvolvimento do Rio Senegal, constituída pelo Mali, o Senegal e a Mauritânia. Os principais parceiros comerciais do Mali são a Costa do Marfim, a França, a China e a Bélgica.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1980), é de 0,1.
População
Em 2006, tinha uma população de 11 716 829 habitantes. Tem uma densidade populacional de 10,7 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 49,82%o e 16,89%o. A esperança média de vida é de 49 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,337 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,327 (2001). Estima-se que, em 2025, a população seja de 21 617 000 habitantes. Em termos etnolinguísticos, o grupo Bambara-Mandingas-Dyula representa 50% da população, havendo um grande número de outras etnias. A religião largamente dominante é a muçulmana. A língua oficial é o francês, embora existam numerosos dialetos étnicos.
História
De 1898 a 1960, período de tempo em que foi uma colónia francesa, o Mali foi conhecido por Sudão Francês, adotando a nova designação por alturas da independência, em homenagem ao império Mali que existiu entre o século XII e o século XVI.
A História do Mali está intimamente ligada ao Alto Níger, já que foi nessa região que nasceu o Império Mali, no século XII. Este império foi fundado pelo povo Mandinga sobre os escombros do reino Soninke do Gana, passando, a partir de então, a controlar a vasta rede de rotas comerciais, sobretudo do ouro. O declínio deste império no século XVI abriu caminho à conquista deste território por parte de Marrocos, o que aconteceu, mais precisamente, em 1591, através de uma invasão feita por um exército de 4000 homens armados com mosquetes. Esta imagem de força prolongou-se durante todo o tempo de ocupação, que terminou, primeiro, ao serem derrotados pelos Tuaregues em 1737, e, mais tarde, ao serem expulsos pelos Fulas em 1833. Entretanto, um novo império começou a surgir em Ségou, estabelecido pelos Bambara. Sob o nome de Ségou Tukulor, este viria a ser o império dominante no território até 1883, ano em que a França lançou uma série de campanhas militares que levariam à sua conquista em 1893. O que é presentemente o Mali tornou-se parte da África Ocidental Francesa em 1898, embora as suas fronteiras sofressem constantes alterações, sendo conhecido principalmente por Sudão Francês.
O processo de independência do Mali tem a sua origem em 1946, quando foram criados partidos políticos para pertencerem à Assembleia Territorial entretanto formada, destacando-se, desde o início, o Partido da Assembleia da União Africana Democrática (US-RDA), assim como o seu líder, Modobo Keita. A 24 de novembro de 1958, o território passou a denominar-se República Sudanesa, constituindo um Estado autónomo na comunidade francófona e juntando-se, a 10 de janeiro de 1959, ao Senegal para formar a Federação do Mali sob a presidência de Modobo Keita. Finalmente, a 22 de setembro de 1960, o congresso do US-RDA proclamou a independência da República do Mali, sendo Modobo Keita o seu primeiro presidente.
A política do US-RDA revelou ter as suas bases no marxismo-leninismo, pois assentava numa política socialista radical, na estatização de toda a economia e numa revolução cultural à imagem daquela praticada na China. Contudo, tal política não foi do agrado da generalidade da população, criando-se, assim, condições para um golpe de Estado, que veio a acontecer a 19 de novembro de 1968, liderado pelo tenente Moussa Traoré. Foi formado, então, um Comité Militar de Libertação Nacional, que governou o país até 1979, ano em que foi eleito um Governo civil na sequência da aprovação de uma nova Constituição, em 1974 (ano do primeiro confronto militar com o Burkina Faso a propósito da Faixa de Agacher, na fronteira entre os dois territórios). No entanto, Traoré manteve-se como presidente, embora com o partido da União Democrática e Popular do Mali a governar o país. Foi reeleito para o cargo em 1985 (pouco antes do segundo e último confronto militar com o Burkina Faso, que durou apenas 5 dias) e deposto em 1991 através de um golpe de Estado que pretendia aumentar o fator democracia no Mali. Três anos mais tarde, e como os objetivos daquele golpe de Estado não estavam a ser respeitados, um gigantesco movimento estudantil irrompeu contra o Governo, obrigando o então primeiro-ministro, Sekou Sow, a renunciar ao cargo, sendo substituído pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Boubacar Keita. Este novo primeiro-ministro impôs uma política repressiva, cujas medidas iam desde o fecho de órgãos de comunicação social oposicionistas até ao encerramento de escolas secundárias e de ensino superior. Estas medidas não foram, no entanto, suficientes para terminar com a instabilidade interna, já que nomeadamente os estudantes apoiavam as ações de grupos armados clandestinos ligados aos rebeldes tuaregues contra os interesses multinacionais no Mali, ações essas que continuaram mesmo após a assinatura de um acordo que previa a integração dos rebeldes do Movimento da Frente Unida de Azaouad no exército governamental. Desde então, as discussões sobre o problema dos refugiados tuaregues na Argélia e na Mauritânia têm dominado a agenda política do Mali.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mali na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 11:41:06]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mali na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 11:41:06]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais