Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Manuel Bocarro Francês

Médico e matemático português, Manuel Bocarro (dito Francês por ter estudado em Montpellier) nasceu em 1588, em Lisboa, e faleceu em 1662, em Florença. Era filho de Fernão Bocarro, insigne médico, e bisneto de António Bocarro, Capitão de Safim. Doutorou-se pelas Universidades de Montpellier e Alcalá de Henares (nesta última este grau foi-lhe conferido pelo catedrático Pedro Garcia Carrero), e também em Coimbra, sendo versado nas matemáticas e na astrologia. Estes últimos estudos chegaram a Manuel Bocarro Francês pela boca de mestres do seu tempo como Galileu e Kepler.
Distinguiu-se como médico em várias cortes europeias. O método que usava no tratamento dos seus pacientes conferiu-lhe tanta fama, que era chamado pelos maiores príncipes para combater as enfermidades que os assolavam, como foi o caso das duas imperatrizes Leonor e Maria e do Príncipe da Dinamarca, filho de Cristerno IV.
Dotado de engenho perspicaz e sublime compreensão, este autor conheceu também as línguas latina, grega e hebraica.
A aliar-se a todos estes dotes científicos, a sua afabilidade natural ligou-o a pessoas importantes do seu tempo como foram o Duque de Bragança, D. Teodósio e o seu irmão D. Constantino; D. Luís de Lencastre, Comendador-mor de Santiago; D. Fr. Aleixo de Meneses, Arcebispo de Braga e Vice-rei de Portugal. Na Alemanha, o imperador Fernando III concedeu-lhe o título honorífico de Conde Palatino por alvará passado a 17 de julho de 1647. Vaticinou a aclamação de D. João IV e, por sua causa, foi preso pelos castelhanos, acusado de incitar a tumultos o povo português. Acedendo à sua liberdade pela intervenção de D. Fernando de Alvia, viajou para Roma, onde por benefício de impressão fez patente o vaticínio da Restauração de Portugal do jugo castelhano.
Faleceu com 74 anos, em Florença, após ter sido chamado da cidade de Lorne, onde assistia a Duquesa de Strozzi.
A sua obra mais famosa é o poema épico Anacephaleoses da Monarquia Lusitana (1624), formado por quatro partes, das quais apenas a primeira, constituída por 131 oitavas heroicas, foi editada. O padre António Vieira foi um grande admirador deste poema, chegando mesmo a resumir o que apelidou de "narração poética e elegante" em A Palavra do Pregador Empenhada e Defendida. Para além dos textos que permaneceram inéditos, o autor escreveu ainda um Tratado dos Cometas que Apareceram em Novembro Passado de 1618 (1619), revelador das suas preocupações e conhecimentos astrológicos, a Luz Pequena Lunar e Estelífera da Monarquia Lusitana, proibida pela Inquisição no século XVIII, Carmen Intelectuale (1639), Faetus Astrologicus (1644), Regnum Astrorum Reformatum (1644) e versos heroicos em latim.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Manuel Bocarro Francês na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 11:08:52]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais