Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Manuel Graça Dias

Arquiteto português, Manuel Graça Dias nasceu em 1953, em Lisboa. Licenciado em Arquitetura pela Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (ESBAL) em 1977, desenvolve desde 1985 uma ampla atividade académica, em particular a letiva. No período 1985-1996 foi assistente na Faculdade de Arquitetura da UniversidadeTécnica de Lisboa (FAUTL) e professor convidado na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP) a partir de 1997, assim como na Facoltá di Architettura do Politecnico di Milano desde 1999. Leciona ainda no Departamento de Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa, o qual dirige desde 1998.
Ética e civicamente empenhado na crítica e divulgação da arquitetura, quer dirigidas aos profissionais quer ao público em geral, publica com regularidade artigos, textos, obras e projetos em jornais e revistas da especialidade desde 1978. É igualmente de sua autoria um programa televisivo (1992-1996, com periodicidade quinzenal na RTP2) e no período 1995-1999 colaborou regularmente com a TSF (canal radiofónico) em programas ligeiros de divulgação arquitetónica, tais como conversas com arquitetos e a leitura de pequenos textos de reflexão sobre diversos temas (no âmbito da arquitetura). Esta última atividade teve ainda como consequência a publicação de dois livros: Ao Volante pela Cidade (conversas em forma de entrevista), Lisboa, Relógio d' Água, 1999; e O Homem que Gostava de Cidades (textos), da mesma editora, 2001. De entre outros livros publicados, destaque-se Passado Lisboa Presente, Presente Lisboa Futuro, uma parceria com A. M. Pereira, 2001, pela conjugação de um visionarismo do passado sobre Lisboa, o que ela é de facto, entre virtudes e defeitos, e uma proposta do que pode ser, proposta essa ancorada no presente e, por isso mesmo, viável.
É diretor do Jornal Arquitetos, órgão da Ordem dos Arquitetos Portugueses. Participa ainda frequentemente em conferências, exposições e seminários, seja de divulgação arquitetónica em geral ou dos seus projetos e obras, quer a nível nacional quer internacional.
O arquiteto Manuel Graça Dias
Profissionalmente, iniciou a sua atividade no atelier do arquiteto Manuel Vicente, em Macau, no período 1978-1981. A partir de 1982 exerce a atividade em Lisboa, quer individualmente quer em conjunto com os arquitetos João Vieira Caldas, Júlio Teles Grilo, António Marques Miguel e Egas José Vieira. Com este último funda em 1990 o atelier Contemporânea, parceria essa que perdura até à data.
No que toca à atividade profissional, a sua vasta obra recebeu vários prémios, de entre os quais: Menção Honrosa Valmor (1983), pela recuperação de uma casa na Graça, Lisboa (1979), em coautoria com António Marques Miguel; obteve em conjunto com Egas José Vieira o 1.º lugar no concurso para o Pavilhão de Portugal na Expo'92, Sevilha (1989), assim como o concurso para a nova sede da então Associação de Arquitetos Portugueses - AAP / Banhos de S. Paulo, Lisboa (1991); destes dois últimos projetos em concurso resultou a respetiva concretização das obras e em 1999 Manuel Graça Dias e Egas José Vieira receberam o Prémio AICA / Ministério da Cultura (Arquitetura) pelo conjunto da sua obra.
Elaborou ainda diversos projetos e tem diversa obra construída, em Lisboa, Almada, Porto, Guimarães, Vila Real e Chaves. Destacam-se, além das já citadas (Pavilhão de Portugal na Expo'92 e Sede da AAP), a habitação coletiva Golfinho, Chaves (1985); lojas Ana Salazar, Lisboa (1988); Porta Sul e Torre de Cracking da Expo'98, Lisboa (1994-1997).
Em 2002, o atelier desenvolve, entre outros, o projeto de um novo campus universitário (complexo de Ensino Superior) no Monte da Caparica, Almada, onde se conta já obra construída; o projeto do teatro municipal de Almada - o Teatro Azul; o edifício-sede da Sojornal (semanário Expresso), Lisboa; e o projeto de um conjunto habitacional de 427 habitações em Guimarães.
Manuel Graça Dias e Egas José Vieira são ainda autores do polémico estudo de reconversão urbana do estaleiro da Lisnave, Almada (2000), designado por projeto Margueira. A proposta rompe com o conceito tradicional de cidade e tenta evitar a suburbanização ao dotar a área de modo multifuncional, ao propor habitação, serviços, equipamentos, áreas verdes e de lazer e uma cuidada estrutura viária. A polémica deve-se à inusitada altura dos edifícios propostos, pelo menos para os hábitos lusos. Este projeto, bem como todo o seu percurso profissional e académico, revela precisamente a postura inquieta, questionante e crítica de Manuel Graça Dias em relação à arquitetura como ainda ao modus vivendi em geral. Ciente da nossa condição contemporânea (o presente é agora e as questões de agora devem ser agora resolvidas e não adiadas, quando no futuro já serão outras), mantém-se crítico e não embarca no sentimento de que nada podemos fazer para mudar as nossas cidades. Poderíamos defini-lo como um provocador e agitador de mentalidades.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Manuel Graça Dias na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-20 14:39:05]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros