Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Manuel Laranjeira

Médico e escritor português nascido a 17 de agosto de 1877, na Vergada, Vila da Feira, e falecido a 22 de fevereiro de 1912, em Espinho. Toda a obra que deixou (ensaio, cartas, artigos, teatro e verso) corporiza a busca do "tom da sua própria verdade" (nas palavras de Nuno Júdice), numa antecipação da doutrina existencialista. Mantendo relações privilegiadas com Miguel de Unamuno, António Carneiro, António Patrício e Amadeo de Souza-Cardoso, Manuel Laranjeira padecia de doença (sífilis congénita) que o predispôs para a solidão e para o pessimismo, manifestos numa visão trágica da existência e numa atitude de ensimesmamento, com explosões de revolta e desespero, de ceticismo e niilismo, culminantes no suicídio. A obra literária de Manuel Laranjeira apresenta-se, assim, marcada pela busca incessante da verdade sobre si mesmo, de onde provém o confessionalismo e a dramaticidade que a caracterizam.
Sempre relacionou o atraso português com o divórcio entre os intelectuais e o país real.
Manuel Laranjeira (1877-1912), médico e escritor português
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Manuel Laranjeira na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-14 07:51:45]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros