Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Marguerite Duras

Escritora, argumentista e cineasta francesa nascida a 4 de abril de 1914, na Indochina, atual Vietname, com o nome de Marguerite Donnadieu, e falecida a 3 de novembro de 1996, em Paris.
Passou a infância na Indochina e aos 17 anos mudou-se para França, onde estudou Direito e Ciências Políticas na Universidade da Sorbonne, em Paris. Licenciou-se em 1935. Entretanto, adotou o nome Duras, inspirada numa localidade perto de onde o pai, que faleceu quando ela tinha quatro anos, tinha propriedades.
Mal se licenciou, foi trabalhar no secretariado do Ministério das Colónias, onde esteve até 1941. Nesta altura, já tinha eclodido a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e Duras integrou a Resistência francesa, assim como se filiou no Partido Comunista.
Marguerite Duras, autora de O Amante
Em 1942, lançou o seu primeiro romance, Les Impudents.
Após o final da guerra trabalhou como jornalista na revista Observateur e continuou a escrever, tendo alcançado o reconhecimento da sua obra com três romances lançados entre 1950 e 1955: Une Barrage Contre le Pacifique (Uma Barragem Contra O Pacífico), Le Marin de Gibraltar (O Marinheiro de Gibraltar) e Le Square (O Jardim).
Em 1958, lançou Moderato Cantabile, no qual abandonou os temas mais tradicionais por assuntos como o desejo sexual, o amor, a morte e a memória.
Em 1959, escreveu o argumento do filme Hiroshima Mon Amour (Hiroshima Meu Amor), realizado por Alain Resnais, e viria a ser nomeada para um Óscar da Academia de Hollywood.
A paixão pelo cinema na carreira de Marguerite Duras ficou mais patente na década de 70, altura em que escreveu e realizou diversos filmes, como Camion, com Gerard Depardieu.
Em 1984, regressou às grandes obras literárias com L'Amant (O Amante), romance semi-autobiográfico sobre a sua juventude na Indochina. O livro ganhou o mais prestigiado galardão literário francês, o Prémio Goncourt. Oito anos mais tarde, foi realizado pelo francês Jean-Jacques Annaud, um filme baseado no romance.
Em 1985, lançou uma coletânea de contos, La Douleur (A Dor), inspirada na situação que viveu no pós-guerra, quando teve de tratar do marido que sobreviveu aos campos de concentração nazis. Quando ele recuperou, separou-se dele para casar com outro homem, como já planeara antes.
Entretanto, desde 1980, Duras mantinha uma relação conturbada com Yann Andréa Steiner, 38 anos mais novo que ela e obcecado pelos seus livros. Andréa Steiner escreveu dois livros sobre o período em que viveu com Duras, quando a criatividade dela já estava ofuscada por problemas alcoólicos.
Apesar de tudo, o casal viveu junto até à morte da escritora, em 1996, em Paris.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Marguerite Duras na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 01:01:36]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais