Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Maria de Medeiros

Atriz portuguesa, nascida em 1965, filha do maestro António Victorino d'Almeida e da jornalista Maria Armanda Passos. Revelou-se com a sua participação no filme Silvestre, de João César Monteiro, em 1982. Também em 1982, teria lugar a sua estreia no teatro, interpretando Coéforas de Ésquilo, e indo no ano seguinte para Paris, onde estudou Filosofia na Sorbonne. Em 1984, no entanto, inscreveu-se na École Nationale Supérieure des Arts et Techniques du Théâtre e, em 1986, no Conservatoire National d'Art Dramatique. Tem trabalhado em teatro, participando em espetáculos como La Mort de Pompée (1993), Elvire (1996) e A Castro (2002), mas é sobretudo um nome marcante no cinema. Destacam-se filmes como A Estrangeira (1983), Le Moine et la Sorcière (1987), Henry and June (Henry e June, 1990), Pulp Fiction (1994), Adão e Eva (1995) e O Xangô de Baker Street (2001). Em 2000, realiza, escreve e interpreta a ambiçosa produção sobre a Revolução do 25 de abril Capitães de abril.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Maria de Medeiros na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 06:30:05]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros