Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Mário Dionísio

Poeta, crítico, pintor, romancista, licenciou-se em Filologia Românica na Faculdade de Letras de Lisboa, onde viria a desenvolver atividade docente. Mário Dionísio desempenhou um papel importante na teorização do Neorrealismo, movimento literário que, pelas décadas de 40-50, à luz do materialismo histórico, valorizou a dimensão ideológica e social do texto literário, enquanto instrumento de intervenção e de consciencialização. Precisando, em prefácios, artigos e ensaios, as definições, história e alcance do movimento neorrealista, defende uma aceção ampla e intrinsecamente estética do conceito de realismo nos anos 40. Analisando, por exemplo, em Conflito e Unidade da Arte Contemporânea, os grupos antagónicos em que se digladiava a arte contemporânea, o da arte abstrata e o da arte realista, vê que se apresentava aí um falso antagonismo, mais ideológico e sentimental do que artístico: na verdade não existiriam duas artes, mas apenas uma arte que, "vítima do nosso próprio conflito, se desmembra em aspetos parcelares, se degrada, se corrói quase até à destruição, se separa em duas partes incompletas, artificiais, insustentáveis, caricaturais, estéreis e perniciosas, quando chegam ao extremo da sua evolução" (Conflito e Unidade da Arte Contemporânea, Lisboa, 1958, pp. 30-33). Considera, assim, a criação estética realista como um "compromisso constante com a realidade sem esquecer o mundo íntimo", não sendo, como arguíam os seus opositores, alheia ao conhecimento do Homem na sua individualidade, às suas pulsões inconscientes, às conquistas formais do irrealismo, mas submetendo-a a uma atitude de solidariedade, de abnegação, de alta humanidade (REIS, Carlos - Textos Teóricos do Neorrealismo Português, Lisboa, 1981, pp. 62-66). É desta convicção de que na obra de arte "forma e conteúdo se não podem separar sem ficarem ambos a escorrer sangue" que chega a criticar a obra romanesca de Alves Redol, cuja falta de modernidade do estilo impede que os assuntos dos romances do autor de Gaibéus alcançassem o estatuto de obras de arte (ib., p. 179). No âmbito da tentativa de uma reforma cultural encetada pelos intelectuais neorrealistas, através de palestras e ações culturais realizadas em vários pontos do país, participou num esforço conjunto de aproximar a arte e o público, de que resultou, por exemplo, a obra A Paleta e o Mundo, constituída por uma série de lições sobre a arte moderna. Poeta e ficcionista empenhado, fiel ao "novo humanismo", atento à verdade do indivíduo, às suas dolorosas contradições, acolheu, na sua obra, o espírito de modernidade e as revoluções linguísticas e narrativas da arte contemporânea.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mário Dionísio na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-20 02:54:52]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais