Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Martin Sheen

Ator norte-americano, Ramon Estevez nasceu a 3 de agosto de 1940, na cidade de Dayton, filho de mãe irlandesa e de pai espanhol. Já em adolescente manifestou interesse pelo teatro e em 1958 chegou mesmo a chumbar propositadamente no exame de admissão à Universidade. Matriculou-se numa escola de Artes Dramáticas e em 1962 partiu para Nova Iorque para iniciar a sua carreira profissional.
Os primeiros tempos na Big Apple foram difíceis, tendo trabalhado como lavador de carros e ascensorista. Fez primeiramente teatro amador e em 1964 pisou pela primeira vez os palcos da Broadway. Em breve foi convidado para desempenhar pequenos papéis em séries televisivas como Insight (1964) e As The World Turns (1965). Chegou ao cinema pelas mãos do realizador Larry Pearce, que o chamou para protagonizar The Incident (1967), uma violenta crónica urbana sobre dois vagabundos alcoólicos que se divertem a aterrorizar passageiros do metro. Repetiu o seu papel de estreia na Broadway, desta vez na tela em The Subject Was Roses (O Assunto Era Rosas, 1968), sucedendo-se participações em filmes como Catch-22 (Artigo 22, 1970) e Rage (A Terrível Vingança, 1972).
Mas o seu primeiro grande papel no cinema seria em Badlands (Noivos Sangrentos, 1973), filme de culto onde desempenhou o papel de um jovem psicopata. Depois de prestações em títulos pouco significativos como The Execution of Private Slovik (A Execução do Soldado Slovik, 1974) e Cassandra Crossing (1976), foi convidado por Francis Ford Coppola para substituir o ator Harvey Keitel em Apocalypse Now (1979), onde desempenhou o papel do capitão Benjamin Willard, incumbido de assassinar o renegado coronel Kurtz (Marlon Brando). Durante as intermináveis e extenuantes rodagens nas Filipinas, Sheen sofreu um ataque cardíaco. Nas décadas de 80 e de 90, a sua carreira cinematográfica começou a perder fulgor, apesar das participações em Gandhi (1982), The Dead Zone (Zona de Perigo, 1983) e Wall Street (1987). Tornou-se então o ator mais requisitado da televisão norte-americana, sendo figura constante em telefilmes e minisséries.
Cartaz de "Apocalypse Now", um filme de Francis Ford Coppola, de 1979, no qual participaram Martin Sheen, Marlon Brando e Robert Duvall, entre outros
Em 1991, aventurou-se na realização, dirigindo o filho, Charlie Sheen, em Cadence (A Marcha da Revolta, 1991). Foi através de uma série televisiva que relançou a sua carreira, ao interpretar a fictícia figura de um presidente dos EUA na multigalardoada série The West Wing (Os Homens do Presidente, 1999-2004) que lhe valeu um Emmy. Bobby, de Emilio Estevez, e The Departed (The Departed: Entre Inimigos), de Martin Scorsese, foram dois filmes em que o ator participou em 2006.
Paralelamente, Sheen é um fervoroso ativista dos Direitos Humanos, utilizando a sua condição de figura pública para participar ativamente em campanhas de desmilitarização.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Martin Sheen na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-13 18:54:24]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros