Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Matosinhos

Aspetos Geográficos
O concelho de Matosinhos, do distrito do Porto, localiza-se na Região Norte (NUT II) no Grande Porto (NUT III) e fica situado junto à foz do rio Leça. Integra a Área Metropolitana do Porto. A sua paisagem divide-se entre o carácter urbano de Matosinhos e Leça da Palmeira, onde se instalaram o comércio e a indústria, e pelas suas praias que se enchem de veraneantes nos meses de verão.
Confina com os concelhos de Vila do Conde a norte, Maia a este, Porto a sul e a oeste é banhado pelo oceano Atlântico.
Sede dos Bombeiros Voluntários de Leixões, Matosinhos
Brasão do concelho de Matosinhos
Capela da Boa Nova, Leça da Palmeira, Matosinhos
Vista aérea do porto de Leixões, em Leça da Palmeira, Matosinhos
Vista aérea da refinaria em Leça da Palmeira, Matosinhos
Zona industrial de Matosinhos
Entrada do Mosteiro de Leça do Balio, Matosinhos
Igreja do Senhor Bom Jesus, Matosinhos
Quinta do Viso, Matosinhos
Pormenor da Casa de Chá da Boa Nova, Leça da Palmeira, Matosinhos
Numa área de 61,9 km2 distribuem-se 10 freguesias: Custóias, Guifões, Lavra, Leça do Balio, Leça da Palmeira, Matosinhos, Perafita, Santa Cruz do Bispo, São Mamede de Infesta e Senhora da Hora.
Em 2005, o concelho apresentava 167 840 habitantes.
O natural ou habitante de Matosinhos denomina-se matosinhense.
História e Monumentos
O povoamento do território do concelho é muito antigo, remontando ao período Neolítico. São vários os vestígios que comprovam a presença romana, como é o caso do castro de Guifões. No ano 900, Matosinhos já existia, com o nome de Matesinus. Nas Inquirições de D. Afonso III, aparecia com o nome de Matusiny. Em setembro de 1514 obteve foral, concedido por D. Manuel I.
Do seu património edificado destacam-se: o Mosteiro de Leça do Balio de estilo romano-gótico; o Santuário e a Igreja do Senhor Bom Jesus de estilo barroco; a igreja barroca da Misericórdia; a Capela do Senhor Jesus Crucificado; o Forte de Nossa Senhora das Neves e as pontes do Carro e de D. Goimil.
Tradições, Lendas e Curiosidades
Uma das principais festas do concelho é a romaria do Senhor de Matosinhos, que outrora tinha como finalidade a devoção à Imagem do Bom Jesus, Senhor de Matosinhos, que, segundo a lenda, teria a capacidade de fazer curas milagrosas. Hoje, esta romaria tenta recuperar o seu carácter religioso, assumindo as facetas religiosa e popular. As festas prolongam-se por cerca de três semanas, entre maio e junho, culminando com o feriado municipal que ocorre à terça-feira posterior ao Domingo de Pentecostes.
Realizam-se muitas outras festas e romarias nas várias freguesias: Senhora de Fátima em Guifões, S. Mamede e em Perafita; Senhora dos Remédios em Leça do Balio; Senhora de Fátima e Menino Deus em Lavra; Senhor da Boa Fortuna e Santo António do Telheiro em S. Mamede de Infesta, entre outras.
No primeiro sábado de julho tem lugar o Festival Internacional de Folclore de S. Mamede de Infesta, no último sábado de julho realiza-se o Festival Internacional de Folclore de Angeiras, na freguesia da Lavra, e no último domingo de julho é a vez do Festival Internacional de Folclore "Cidade de Matosinhos". Refira-se que estes festivais são organizados pelos ranchos folclóricos das respetivas freguesias.
No artesanato são de destacar as tapeçarias e os bordados, os trabalhos em madeira e em ferro, os trabalhos relacionados com o tema do mar, as peças decorativas e os azulejos pintados.
Economia
A construção do porto marítimo de Leixões implicou grandes alterações morfológicas e funcionais no concelho, ao mesmo tempo que impulsionou o seu desenvolvimento económico, favorecendo a implantação industrial. O mar serviu não só de suporte para o transporte marítimo e de fonte de recursos piscícolas, mas também fez de Matosinhos uma estância balnear que atingiu o seu auge durante o século XIX.
A sua população jovem confere um considerável dinamismo económico ao concelho que encontra no setor secundário um dos pilares da sua economia, assente numa indústria transformadora em expansão: metalomecânica, alimentar, material elétrico, construção naval, petroquímica, refrigerantes, transformação do ferro e aço, têxteis e confeções, conservas de peixe, panificação, laticínios e óleos alimentares, entre outras. O setor terciário ocupa uma larga percentagem da população ativa. Refira-se o papel da Exponor que constitui um importante parque de exposições à escala nacional.
A pesca, com forte tradição no concelho, completa, juntamente com uma prática agrícola de cada vez menor significado, o quadro económico do concelho.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Matosinhos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-27 11:36:27]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais