Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Maurice Blanchot

Escritor e filósofo francês, Maurice Blanchot nasceu a 22 de setembro de 1907 em Quain, na região do Saône-et-Loire. Descendente de uma família de proprietários rurais católicos, era filho de um professor de Letras. Durante a sua juventude não só abraçou as convições monárquicas, como se tornou grande admirador da obra de Paul Valéry. Após ter concluído o ensino secundário, matriculou-se nos cursos de Filosofia e Germânicas da Universidade de Estrasburgo, onde tomou contacto com os trabalhos de Heidegger.
Munido do seu diploma, Maurice Blanchot rumou até Paris onde, a partir dos inícios da década de 30 do século passado, começou a colaborar com vários periódicos de extrema-direita, como sendo o Journal des Débats, o Combat, o L'Insurgé e o Écoutes. Dos mais de duzentos artigos publicados entre 1931 e 1941, dedicados à política, à literatura e à filosofia, pode mencionar-se o feroz ataque que desferiu à pessoa de Léon Blum, que ilustra o antissemitismo que cultivava na época.
Em 1940 juntou-se às fileiras da Jeune France, uma associação cultural ligada ao chamado Regime de Vichy e, no ano seguinte, estreou-se como romancista, ao publicar Thomas l'Obscur (1941), que viria a tornar-se na sua obra mais conhecida, e que contava a história de um estrangeiro viajando em busca de um lugar vazio, metáfora para o arquétipo do Judeu Errante. Foi seguido de perto por Aminabad (1942), que não conseguiu ser tão popular.
Com o fim da Segunda Guerra Mundial, Maurice Blanchot abandonou definitivamente todas as suas anteriores convicções políticas e retirou-se para uma localidade remota no Sul de França. Não tardou em passar de apóstata a adversário acérrimo da direita e, escapando à depuração que tantos escritores silenciou, publicou Le Très-Haut (1948), L'Arrêt de la Mort (1948, A Morte Suspensa) e La Part du Feu (1949), romances que demonstravam um Blanchot humanista, alienado do seu passado.
Depois de l'Espace Littéraire (1955) e Le Livre à Venir (1959, O Livro por Vir), o autor apareceu com L'Entretien Infini (1969), trabalho que procurava enaltecer fenómenos judaicos como o Hassidismo e a obra de Franz Kafka.
Durante a década de 60 tornou-se numa figura da vida pública francesa, sobretudo ao manifestar-se contra a Guerra da Argélia e, durante o maio de 68, ao participar ativamente nas barricadas erigidas pelos estudantes. Protestou também contra as leis da imigração e favoreceu a implantação do Estado de Israel.
Maurice Blanchot faleceu nos arredores de Paris a 20 de fevereiro de 2003.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Maurice Blanchot na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 04:41:50]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros