Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

MDLP

Jorge Jardim, um ativista contrarrevolucionário refugiado em Espanha e na África do Sul, dois países onde passou longos períodos, foi a referência ativa da direita contestatária da Revolução do 25 de abril de 1974, a partir do país vizinho, até à constituição do ELP (Exército de Libertação de Portugal) e do MDLP (Movimento Democrático de Libertação de Portugal). No ano de 1975, as ações do ELP e do MDLP confundem-se, pois estes movimentos têm fontes, colaboradores e patrocinadores comuns. Contudo, os seus objetivos são distintos: o ELP é mais militar do que político, afastando-se do general Spínola, que considera ser um traidor.
O MDLP, a 17 de fevereiro de 1975, ensaiou um golpe de Estado, um "golpe palaciano", para derrubar os revolucionários, em colaboração com a guarda do Palácio de Belém, mas esta ação falhou, mantendo-se, contudo, a vontade de voltar a repetir a experiência.
Em abril desse ano, as autoridades espanholas e os serviços de informação concebem uma organização político-militar para apoiar a adoção de um sistema democrático pluralista em Portugal afastado das atividades terroristas do ELP. Esta nova organização deveria abarcar todos os quadrantes da direita, dos democratas aos radicais. O futuro MDLP esteve representado nestas e noutras reuniões deste tipo.
A 5 de maio de 1975 era oficialmente constituído o MDLP, uma força política presidida por António Spínola, e assistida por uma organização de cúpula dividida em grandes setores que nunca chegou a funcionar. Dias Lima deveria assegurar o Estado-Maior, Santos e Castro o Ultramar, Alpoim Calvão o Operativo e a Política ficaria para José Miguel Júdice, Vale de Figueiredo e Pacheco Amorim.
No início do mês de julho, na cidade de Lisboa, a partir do elevador de Santa Justa, foram lançadas as primeiras tarjetas com a sigla do MDLP e no dia 20 desse mês ocorreu uma nova onda de assaltos a sedes de forças de esquerda como o PCP e o MDP/CDE, atentados reivindicados pelo autointitulado "Movimento da Maria da Fonte", que operava a partir do Norte do país, e era apoiado pela Igreja Católica com ligações ao MDLP.
Também ligada ao MDLP estava a edição do primeiro exemplar do Viriato - Jornal Clandestino de Portugueses e só para Portugueses, que publicou apenas três números, o último dos quais datado de setembro de 1975, da responsabilidade de Jorge Jardim e do coronel Costa Campos.
Em setembro, com a notícia do regresso do exílio na Suíça de António de Spínola, a Imprensa portuguesa refere que no Norte do país o ELP e o MDLP preparavam um golpe de direita.
No dia 4 de outubro do mês seguinte foram detidos num Seminário de Braga o primeiro-tenente Benjamim de Abreu e o major Mira Godinho, ambos implicados no 11 de março. Na altura da detenção participavam numa reunião da direção do MDLP, presidida por Alpoim Calvão.
A 2 de janeiro do ano seguinte surge uma nova vaga de atentados bombistas atribuídos à extrema direita (MDLP e ELP), que durante alguns meses atacaram sedes esquerdistas. Em agosto, a Polícia Judiciária e a Polícia Judiciária Militar prendem suspeitos da rede bombista. Ainda nesse mês, o MDLP reorganiza-se, e em fins de janeiro de 1976, militares do ELP e do MDLP, fugidos do país aquando do 11 de março, começam a regressar.
Em abril, ocorre um novo atentado à bomba atribuído ao MDLP, que faz explodir o carro onde seguia um candidato de esquerda a deputado pelo círculo de Vila Real, o padre Maximino de Sousa (mais conhecido como padre Max) e uma estudante de nome Maria de Lurdes Pereira.
O ataque à Embaixada de Cuba foi, ainda nesse mês, reclamado pelo Movimento Anticomunista Português, que mantinha ligações com o MDLP.
A 29 de abril de 1976, Spínola suspendeu as atividades do MDLP, o que efetivamente veio a acontecer após as negociações mantidas com o general Ramalho Eanes para discutir a amnistia das atividades antirrevolucionárias. Contudo, o ELP continuou a atuar em 1976 e o financiamento internacional só acabou depois de serem estabelecidos contactos entre Almeida de Araújo e os militares mais próximos de Ramalho Eanes, o futuro presidente da República.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – MDLP na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 02:07:57]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais