Livros e Autores

Weyward

Emilia Hart

O perigo de estar no meu perfeito juízo

Rosa Montero

Os segredos de Juvenal Papisco

Bruno Paixão

Bom português

gratuito ou gratuíto?

ver mais

isenção ou insenção?

ver mais

precariedade ou precaridade?

ver mais

moinho ou moínho?

ver mais

verosímil ou verosímel?

ver mais

convalescença ou convalescência?

ver mais

incerto ou inserto?

ver mais

bolos-reis ou bolos-rei?

ver mais

Mecenato

O mecenato, praticado desde a Roma Antiga, foi a forma mais comum de patrocínio dos produtores musicais, dos literários e dos artistas durante a época renascentista, uma vez que a arte era um trabalho manual mas simultaneamente digna de admiração pela beleza que saía das mão dos artistas. Recordamos que o termo mecenato provém do nome de um romano culto e muito rico (Caio Glínio Mecenas, c. 69 - 8 a. C.), refinado patrício que financiou um círculo de letrados e artistas da Roma do seu tempo, como Virgílio, que lhe dedicou as Geórgicas, ou Horácio. Foi poeta e prosador também, tendo deixado a sua enorme riqueza em legado a Augusto, primeiro imperador romano. Através do mecenato, artistas extremamente dotados mas nascidos entre as camadas inferiores da população podiam ter a oportunidade de se tornarem pintores de um patrono ou poderosa família. Estas famílias viam os seus membros imortalizados e glorificados pela arte para a eternidade, e a cultura de alguns destes poderosos senhores, como os Médicis, fazia com que sentissem necessidade de conversar sobre os mais diversos temas. Na verdade, durante os séculos XV e XVI o ressurgimento dos ideais clássicos levou à vontade de plasmar os mais proeminentes personagens como alguém detentor de um intelecto superior, em que a imagem retratada era enobrecida e manifestava claramente a sua posição e relação com a sociedade. O protetor das artes via assim o seu prestígio social aumentar, tal como os negócios das suas empresas ou instituições, se fosse o caso de os possuir. Os mecenas encontravam-se não só entre os homens da Igreja, como os papas Júlio II e Leão X (que patrocinaram a construção do túmulo do primeiro e a pintura "a fresco" da Capela Sistina, duas das obras mais importantes da História da Arte), como entre a nobreza e a burguesia enriquecida pelo comércio que pretendia conquistar estatuto superior através da demonstração pública de gosto e cultura. O patrocínio do mecenato verificou-se com mais insistência em Itália (para onde foram os intelectuais gregos de Bizâncio, conquistada em 1453), apesar de em zonas como a Flandres também se fizesse sentir com bastante força. O facto de cidades como Florença, Génova, Veneza, Roma, Pádua, Pisa, Milão, Nápoles e outras se tiverem dedicado com grande afinco ao incentivo da produção artística deve-se fundamentalmente à criação de universidades, à prosperidade do comércio com terras do Levante, Europa, ilhas gregas do Mar Egeu e Síria e ao declínio da estrutura feudal em favor dos grandes e poderosos centros urbanos, que mudou radicalmente o sistema de vida que até aí era comum inaugurando uma época de prosperidade e de antropocentrismo humanista.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mecenato na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2023-06-05 21:46:17]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mecenato na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2023-06-05 21:46:17]. Disponível em
Livros e Autores

Weyward

Emilia Hart

O perigo de estar no meu perfeito juízo

Rosa Montero

Os segredos de Juvenal Papisco

Bruno Paixão

Bom português

gratuito ou gratuíto?

ver mais

isenção ou insenção?

ver mais

precariedade ou precaridade?

ver mais

moinho ou moínho?

ver mais

verosímil ou verosímel?

ver mais

convalescença ou convalescência?

ver mais

incerto ou inserto?

ver mais

bolos-reis ou bolos-rei?

ver mais