Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

método científico

A ciência utiliza, na produção de conhecimentos e como procedimento e forma de atuar, o método científico. O mais característico e específico da ciência, ou seja, aquilo que a constitui como tal e a distingue dos demais tipos de conhecimento é, com efeito, o método científico.
A ciência, em sentido restrito, pode ser definida como um conjunto de conhecimentos sobre a realidade, obtidos através da aplicação do método científico, ou seja, é o resultado obtido por via da aplicação desse método.
Sendo os principais objetivos da ciência analisar, explicar, prever e intervir/agir sobre a realidade, tais objetivos só podem ser atingidos por via da utilização do método científico.
O método científico é uma forma de atuação humana orientada para o conhecimento da realidade empírica. Enquanto procedimento de atuação geral destinado à produção de conhecimentos científicos, o método científico consiste, num primeiro momento, em formular questões sobre a realidade, para isso baseia-se em observações e em teorias já existentes; num segundo momento, o método científico consiste em antecipar soluções aos problemas colocados e em compará-las com a realidade, mediante a observação, classificação e análise de factos. O método científico é também apelidado de método problemático-hipotético, na medida em que se baseia na formulação de problemas, questões ou interrogações sobre a realidade e em avançar com conjeturas ou soluções prováveis para as ditas questões.
Entre outras características, o método científico é indutivo e dedutivo. É indutivo, na medida em que procede à classificação sistemática dos dados obtidos, através da observação, com o intuito de determinar as uniformidades e as regularidades que apresentem. É dedutivo, quando deriva e constrói conceitos e enunciados, não da observação da realidade, mas a partir de outros conceitos e enunciados estabelecidos anteriormente. Na utilização e operacionalização do método científico, ambas as operações de raciocínio (indução e dedução) surgem interligadas. Da indução só resultam, de forma imediata, dados sobre a realidade. Relacionar estes dados, estabelecer conceitos e enunciados e retirar conclusões é um trabalho eminentemente dedutivo.
O método científico é acionado pelas várias ciências. As Ciências Sociais, em particular, utilizam-no na investigação científica sobre a realidade social. A investigação em Ciências Sociais implica sempre a mobilização de um procedimento ou estratégia de pesquisa (isto é, a forma como a investigação é planeada e realizada).
A investigação científica sobre a realidade social não é mais do que o processo de aplicação do método (procedimento geral orientado para o conhecimento científico) e de técnicas de pesquisa científica (procedimentos de atuação concretos e particulares, e que podem ser mobilizados nas diversas etapas do método científico) a situações e problemas concretos da realidade social, para os quais se procura resposta e se buscam novos conhecimentos.
O método serve para organizar as práticas de investigação, consistindo na seleção das técnicas (conjuntos de procedimentos destinados a produzir certos resultados ao nível da recolha e tratamento da informação de pesquisa), no controlo da sua utilização, permitindo, ainda, a integração dos resultados parciais obtidos. O método atua sobre as técnicas de pesquisa, estruturando-as, adequando-as e viabilizando a sua aplicação. Estas são tarefas que o método realiza, tendo sempre por referência a teoria (problemática ou enquadramento teórico).
Uma das possíveis classificações dos métodos de investigação, em Ciências Sociais, é a que agrupa os procedimentos lógicos de investigação empírica em três procedimentos básicos:
(i) a experimentação;
(ii) o método de medida ou análise extensiva;
(iii) os estudos de casos ou análise intensiva.
O método experimental orienta-se para a realização de observações e para a recolha de dados em ordem à comprovação de uma relação causal entre dois fatores (pressuposto hipotético). Na sua concretização, utilizam-se dois conjuntos ou grupos de unidades, controláveis quanto à sua homogeneidade (semelhança), no entanto, num dos grupos (grupo experimental) vai ser introduzido um facto ou fator (variável independente), enquanto que no outro grupo (grupo de controlo) não se introduz a variável independente. Neste contexto, procura-se controlar a variação voluntária da variável independente e os seus efeitos no grupo, a fim de se concluir se a variável independente é a causa justificativa dos efeitos observados. Este método foi importado da Física e da Biologia para o campo das Ciências Sociais, tendo, na atualidade, uma aplicabilidade restrita neste âmbito.
O método de medida ou análise extensiva traduz-se na observação, por meio de perguntas diretas ou indiretas, de populações relativamente vastas colocadas em situações reais, com o objetivo de obter respostas suscetíveis de serem sujeitas a uma análise quantitativa. As análises proporcionadas por este método implicam o recurso a técnicas de pesquisa de carácter estandardizado e após a recolha de dados é possível fazer a comparação de dados, estabelecer correlações entre dois ou mais fatores (variáveis) e generalizar os resultados apurados numa amostra (subgrupo representativo do universo ou da população-mãe).
Os estudos de casos ou análise intensiva pressupõem a realização de uma análise intensiva, tanto em amplitude como em profundidade. Neste sentido, vai ser necessário recorrer a uma diversidade de técnicas de pesquisa, centrando-se a análise numa amostra particular da população, selecionada de acordo com determinado objetivo (consonante com os objetivos da pesquisa). Após a recolha de dados, estes irão ser ordenados com o intuito de preservar o carácter unitário da amostra, obtendo-se assim uma compreensão profunda do grupo e do(s) fenómeno(s) em estudo. Desta forma, é possível obter uma visão global e integral de todas as dimensões inerentes à vida do grupo ou constituintes do fenómeno em análise.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – método científico na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-19 12:09:43]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros