Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Miguel Ângelo

Cantor português nascido em 1966, em Lisboa. Em 1982 formou com Fernando Cunha o grupo Delfins, de que é vocalista. O primeiro disco, O Vento Mudou, foi lançado em 1984. Libertação, o primeiro álbum, surgiu em 1987 e um ano depois surgiu U Outro Lado Existe, onde eram abordados temas polémicos da sociedade portuguesa, como a guerra colonial. Os Delfins continuaram a gravar discos de sucesso e a efetuar espetáculos, por vezes recorrendo a tecnologias multimédia.
Em 1988, integra o movimento "Tropa Não", contra o serviço militar obrigatório, de resto um tema abordado pela discografia dos Delfins na época. No ano seguinte, conclui o curso de Arquitetura, na cidade de Lisboa. Juntamente com dois colegas de curso funda um atelier, na capital.
No ano de 1990, pede o estatuto de Objetor de Consciência e cumpre serviço cívico na Câmara Municipal de Cascais, no Departamento de Projetos Municipais, como arquiteto. Um ano mais tarde, é um dos elementos fundadores do projeto Resistência, que viria a ter um sucesso assinalável. Ainda nesse ano, casa-se com Maria Forjaz e nasce a sua primeira filha.
Miguel Ângelo, dos Delfins, num espetáculo realizado durante o Euro 2004, no Porto
Miguel Ângelo
Miguel Ângelo atuando num programa televisivo
Em 1993, em parceria com Fernando Cunha, cria a empresa 1 Só Céu, Audiovisuais, para de seguida fundar estúdios de gravação com o mesmo nome, em Cascais.
O ano de 1994 marca a estreia como ator na peça teatral "Breve Sumário da História de Deus", de Gil Vicente, levada a cena por Carlos Avilez, no Teatro Experimental de Cascais. Ainda nesse ano, assina alguns contos para as revistas Fórum Ambiente e Fórum Estudante, sob o título "Histórias do Delfim". É também da sua autoria a organização do espetáculo "Timor Livre", numa colaboração com a Associação 12 de novembro. Este espetáculo foi transmitido em direto pela TVI e acabaria por dar lugar a um disco/vídeo, sendo as receitas a favor da Resistência Timorense.
A exposição mediática aumenta em 1995, quando integra o júri do concurso televisivo "Seleção Nacional", na RTP. Ainda no mesmo ano, participa no júri do célebre "Chuva de Estrelas", na SIC. Além do nascimento do seu segundo filho, dá a voz a John Smith, no filme "Pocahontas", da Disney. No seguimento dessa ligação, adapta para português as músicas de "Pateta - O Filme". Na cena musical, ainda em 1995, grava um dueto com António Manuel Ribeiro (UHF) para a coletânea de Natal "Espanta Espíritos".
No ano seguinte, volta a participar em filmes da Disney, dando a voz a Woody, em "Toy Story". Nesse filme, Miguel Ângelo é também adaptador, diretor musical e intérprete. A experiência repete-se em alguns temas de "O Corcunda de Notre-Dame", também da Disney. Nesse verão, apresenta o programa "Cantigas da Rua", na SIC.
No ano de 1997, volta a marcar presença num filme da Disney, cedendo a voz ao protagonista de "Hércules".
A ligação ao cinema de animação continua a ter sequência em "Pocahontas II" (1998), repetindo a voz de John Smith. Também em 1998, inicia na RTP o programa "Miguel Ângelo Ao Vivo" e lança o seu primeiro disco a solo de título Timidez, pela editora BMG. Do alinhamento deste disco merecem nota de relevo os singles "Toda A Gente Sabe Que Te Amo", uma versão adaptada dos Divine Comedy e "Só Eu Te Posso Ajudar". Este ano foi particularmente ativo e Miguel Ângelo assina dois temas da banda sonora do filme "Zona J", de Leonel Vieira, e lança o seu primeiro romance de título A Queda de Um Homem (Ensaio Para Romance).
É no ano de 1999 que apresenta o seu primeiro espetáculo ao vivo a solo, promovendo a digressão Marginal, um espetáculo diferente, mais teatral, criado com as canções de Timidez. A primeira parte é assegurada por Fernando Cunha e os Invisíveis, em versão acústica, recriando-se depois em palco o ambiente intimista de um apartamento com vista sobre a marginal. Volta a gravar um tema para cinema, nomeadamente para "Uma Vida de Inseto".
Editou também o seu segundo livro, de título Calor.
O cantor tem-se mantido no grupo Delfins, prosseguindo uma carreira mais marcada pela ligação à banda do que pelo desempenho individual.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Miguel Ângelo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 00:49:19]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais