Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Miguel Portas

Dirigente político e jornalista, Miguel Portas nasceu em 1958, na freguesia de Alvalade, em Lisboa, onde viveu na sua juventude. Filho do arquiteto Nuno Portas e de Helena Sacadura Cabral, é irmão do também jornalista e dirigente político Paulo Portas.
Em 1973, entrou para a organização estudantil do Partido Comunista Português, a União de Estudantes Comunistas, e, logo nesse ano, foi detido pela PIDE com mais 150 jovens estudantes.
Miguel Portas licenciou-se em Economia, mas acabou por se dedicar ao jornalismo, atividade que iniciou em 1986 ao lançar a publicação cultural Contraste. Entretanto, começou uma colaboração no semanário Expresso. Paralelamente à carreira de jornalista, Miguel Portas também foi revisor de provas, funcionário público, animador cultural e agente de desenvolvimento no interior de Portugal.
Manteve-se no PCP até 1991. Depois foi assessor de Jorge Sampaio quando este era presidente da Câmara de Lisboa. Participou, em 1992, na criação da Plataforma de Esquerda e em 1994 fundou o grupo político Política XXI.
Em 1995, começou a preparar o lançamento do semanário de esquerda , do qual foi o único diretor. A publicação esteve nas bancas entre março e novembro de 1996.
Em 1998, colaborou no regresso da revista Vida Mundial, da qual foi colunista e repórter. Ainda em 1998, participou na série documental de televisão O Mar das Índias, realizada por Camilo Azevedo, que viria a receber o prémio Bordalo para melhor trabalho de TV de 2000.
A 28 de fevereiro de 1999, enquanto dirigente do Política XXI, foi um dos fundadores do partido Bloco de Esquerda (BE), que agregou também o PSR, de Francisco Louçã. Ainda nesse ano, foi o cabeça de lista do BE à eleições europeias, concorrendo contra nomes como Mário Soares (PS) e Leonor Beleza (PSD).
Nas eleições autárquicas de 2001, foi o cabeça de lista do BE (Bloco de Esquerda) em Lisboa, concorrendo contra o irmão Paulo Portas, do CDS-PP. Nas eleições legislativas do início do ano seguinte, foi eleito deputado como cabeça de lista do BE no Porto. Em 2004, nas eleições para o Parlamento Europeu, Miguel Portas foi o deputado eleito pelo Bloco de Esquerda.
Em setembro de 2002, Miguel Portas lançou o livro E o Resto É Paisagem, uma compilação de textos jornalísticos publicados entre 1998 e 2002.

Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Miguel Portas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:10:20]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Miguel Portas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:10:20]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais