Livros e Autores

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Mike Nichols

Realizador alemão, de nome verdadeiro Michael Igor Peschkowsky, nascido em Berlim a 6 de novembro de 1931. Descendente de uma família de judeus alemães, tinha sete anos quando emigraram para os Estados Unidos, mesmo antes do início da Segunda Guerra Mundial.
Frequentou a Universidade de Chicago ao mesmo tempo que trabalhava como porteiro, empregado de escritório e rececionista para se sustentar. Estudou depois representação com Lee Strasberg em Nova Iorque, após o que regressou a Chicago onde ajudou a criar uma famosa trupe de comédia - The Compass Players - que mais tarde mudou o nome para Companhia Second City. Este cabaré-teatro proporcionou-lhe a convivência com figuras como Severn Darden, Barbara Harris, Paul Sills e Elaine May, com quem formou uma parceria criativa e de sucesso, criando um show na Broadway. Após sair do grupo, os dois tornaram-se estrelas da comédia americana até 1961, ano em que se separaram. Nichols encenou depois algumas comédias de sucesso na Broadway, como Barefoot in the Park (1963) e The Odd Couple (1965), entre outras.
Em 1966, tem uma estreia auspiciosa como realizador de cinema com a adaptação da peça de Edward Albee Who's Afraid of Virginia Woolf? (Quem Tem Medo de Virginia Woolf?), protagonizado por Richard Burton e Elizabeth Taylor, pelo qual recebe a nomeação para o Óscar de melhor realizador, ganhando o filme cinco Óscares, incluindo o de melhor atriz.
O seu próximo filme foi The Graduate (A Primeira Noite, 1967), baseado no romance de Charles Webb, com Dustin Hoffman e Anne Bancroft nos principais papéis. O filme deu voz à juventude dos finais dos anos 60, tratando temas como a sedução e o adultério de uma forma desinibida e cheia de humor. Fez um imenso sucesso e trouxe a Nichols o ambicionado Óscar de melhor realizador e mais seis nomeações noutras categorias.
De seguida, realizou Catch-22 (Artigo 22, 1970), baseado no romance de Joseph Heller, que foi uma desilusão para grande parte do público. No ano seguinte, realiza a comédia dramática Carnal Knowledge (Iniciação Carnal), com Jack Nicholson e Candice Bergen, onde desconstrói as atitudes e comportamentos sexuais do homem.
Realiza depois dois filmes que não tiveram grande adesão do público e foram considerados dececionantes: The Day of the Dolphin (1973) e The Fortune (Uma Fortuna por Água Abaixo, 1975). Nessa altura, Nichols decide dedicar alguns anos a trabalhar na Broadway, onde faz sucesso e ganha seis Tonys.
Regressa ao cinema em 1980 para realizar um documentário: Gilda Live. Em 1983, faz Silkwood (Reação em Cadeia), com Meryl Streep e Kurt Russell, pelo qual recebe nova nomeação para o Óscar de melhor realizador. Realiza depois a comédia dramática Heartburn (A Difícil Arte de Amar, 1986), adaptação do romance de Nora Ephron, com a dupla Meryl Streep e Jack Nicholson e, em 1988, realiza Working Girl (Uma Mulher de Sucesso), protagonizado por Melanie Griffith, Harrison Ford e Sigourney Weaver, pelo qual recebe o seu segundo Óscar de melhor realizador.
Destaque ainda para a adaptação do romance biográfico de Carrie Fisher Postcards form the Edge (Recordações de Hollywood, 1990), com Meryl Streep e Shirley MacLaine; Regarding Henry (O Regresso de Henry, 1993), um drama protagonizado por Harrison Ford; e Wolf (Lobo, 1994), um thriller sobre um editor (Jack Nicholson) que um dia é mordido por um lobo e transforma-se em lobisomem. Realiza também o remake da comédia francesa sobre travestis La Cage Aux Folles, The Birdcage (Casa de Doidas, 1996), uma adaptação da peça de Jean Poiret, com Robin Williams e Gene Hackman. Em 1998, faz Primary Colors (Escândalos do Candidato), baseado no best-seller Colours, de Joe Klein.
Em 2003, faz imenso sucesso com a adaptação televisiva da peça de Tony Kushner, Angels in America (Anjos na América). A mini-série aborda o fenómeno da sida na América dos anos 80, a administração Reagan, a hipocrisia, o amor, a traição, a família, contando com uma ficha técnica de luxo: Meryl Streep, Al Pacino, Emma Thompson, etc. Ganhou onze Emmys, incluindo o de melhor realizador. No ano seguinte, realiza o filme Closer (Perto Demais), adaptação da peça de Patrick Marber, com Jude Law, Julia Roberts, Natalie Portman e Clive Owen sobre a tumultuosa vida amorosa de dois casais.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mike Nichols na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-07 20:51:43]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mike Nichols na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-07 20:51:43]. Disponível em

Livros e Autores

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais