Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Missionação Bizantina na Rússia: Vladimir, o Santo Rei

No Império Bizantino a relação entre o Estado e a Igreja era muito estreita. O patriarca de Constantinopla, eleito pelo imperador, era a segunda personalidade do império detentora do poder temporal e espiritual.
Os bispos bizantinos viviam da generosidade dos Basileus, embora a partir do século X as doações à Igreja passassem a ser impostas pelo fisco.
Até ao século XI a Igreja cristã era tida como una e universal, embora na prática isso não acontecesse desde as invasões bárbaras.
Os Papas desejavam dominar toda a igreja, sobretudo a partir do momento em que receberam os Estados Pontificais dos Reis francos, contra a vontade da igreja oriental. O Imperador Leão III retirou o poder espiritual do Papa na Itália do Sul, Sicília e Ilíria, por este ter defendido o culto das imagens (questão iconoclasta).
O ponto alto deste conflito aconteceu no século IX, quando os missionários bizantinos Cirilo e Método atingiram a Morávia e a Bulgária foi cristianizada, segundo o rito oriental. O Papado teve alguns dissabores na Rússia e na Sérvia, mas no século XI reavivou a sua esfera de influências no Sul da Itália e reafirmou as suas pretensões à liderança. A resposta do patriarca motivou a sua excomunhão (1054), decretada pelos delegados do Papa, que desencadeou o Cisma. O chefe religioso de Constantinopla lançou então o seu anátema, consumando assim a divisão das duas igrejas.
As divergências ideológicas, relativas a questões como o dogma, os ritos e a administração, escondiam interesses políticos e sistemas económicos opostos. A divisão religiosa agravou a situação externa do Império Bizantino.
No reinado de Basílio I (867-886), fundador da dinastia dos Macedónios, a situação era estável, mas por um curto espaço de tempo. Nos finais do século IX, o império foi abalado por Árabes e Búlgaros. Os Árabes apoderaram-se da Sicília e do Chipre, ameaçaram o Sul de Itália e transformaram Creta numa base de piratas. Simeão da Bulgária entrou em guerra com Bizâncio, ocupou a Macedónia e o Epiro e submeteu os Sérvios. Após a sua morte (927) o seu filho Pedro assinou um tratado de paz. Na segunda metade do século foram reconquistadas: Creta, a Sicília, o Chipre, a Síria do Norte, a Antioquia e a Bulgária do Norte. No fim do século X a Bulgária Oeste recuperou o território do Norte, estendeu-se até às costas do Adriático e ocupou a Tessália.
Basílio II (976-1025), o Bulgaroctone, lutou durante cerca de 40 anos, até à sua vitória (1018).
No século IX os Russos intensificaram a sua pressão sobre o Império Bizantino, iniciada com as expedições à Crimeia e às costas meridionais do Mar Negro. Constantinopla foi atacada (860), mas o conflito terminou pela assinatura de um acordo de paz e a conversão da aristocracia de Kiev.
No século X reacendeu-se a guerra, sanada por um novo tratado.
Em 941, o Príncipe Igor preparou uma nova ofensiva contra Bizâncio que obrigou os seus governantes a negociar a sua retirada (com doações e com a renovação do tratado comercial).
Em 968, os Bizantinos aliciaram Sviatoslav a fazer guerra com a Bulgária, todavia, depois da sua submissão, este príncipe instalou-se no Danúbio. Entre 970-71 guerreou contra o império, ao lado dos Búlgaros, mas teve de pedir a paz e deixar a Bulgária. Pela assinatura de um novo contrato renunciou as pretensões sobre Kherson e a Bulgária e comprometeu-se a auxiliar militarmente o império.
Na década de 80 do século X, Vladimir, a pedido do imperador Basílio II, enviou as suas tropas para ajudar a dominar a sublevação dos senhores feudais da Ásia Menor. Comprometendo-se a dar em casamento a sua irmã Ana ao grão-príncipe Vladimir de Kiev.
A data vulgarmente aceite para a adoção do Cristianismo na Rússia é 988, apesar da missionação ter começado um pouco antes, em grupos restritos da população russa. Antes desta data, os Varegues (ramo oriental dos Vikings), os Eslavos e os comerciantes de Kiev já tinham entrado em contacto com a religião cristã do Império Bizantino. As populações escandinavas, fixadas à beira do Mar Negro, estariam convertidas a esta religião em 864 e entre 954-955 a Princesa Olga, avó de Vladimir, abraçou a religião cristã oriental.
O processo de cristianização ocorreu num momento em que o poder principesco se organizava em Kiev, num Estado que estava a consolidar o seu domínio sobre as tribos de Eslavos de Leste. A cristianização foi promovida pelos chefes russos, que assim pretenderam estabelecer laços de lealdade com populações ainda distantes que passam a estar unidas por um credo comum.
Numa fase inicial, os grão-príncipes utilizaram o culto pagão, mas paulatinamente sentiram a necessidade de fortalecer as estruturas sociais alicerçadas no poder do soberano, que passaram a promover uma nova religião.
A conversão é a apresentada na Crónica dos Tempos Passados, como uma lenda protagonizada por Vladimir I Svitoslavich de Kiev, que mandara vir à sua presença representantes de vários credos: um búlgaro expôs-lhe as virtudes do Islão, alemães defenderam o Cristianismo Romano, khazars explicaram-lhe o Judaísmo e um grego fez a apologia da fé ortodoxa, que Vladimir veio a professar, numa altura em que ficou noivo de uma princesa bizantina e lhe foi exigida a conversão. Segundo a lenda, o príncipe ficou cego recuperando a visão à chegada da sua noiva, quando foi batizado. Em seguida mandou destruir as estátuas dos deuses pagãos e obrigou o seu povo a batizar-se coletivamente, num afluente do Dniepre, provavelmente o Potchaia na primavera de 988.
O chefe da igreja russa é o metropolita, estabelecido em Kiev, que reconhece a autoridade do Patriarca de Constantinopla. Nos séculos X e XI foram criados bispados e mosteiros (o primeiro mosteiro russo foi fundado em Atos, na Calcídica, no século XI), mas a evangelização não foi além dos arredores de Kiev. Só no século XIII é que a Igreja viu o seu papel reforçado e as suas estruturas fortalecidas.
Após a conversão, pintores e arquitetos bizantinos viajaram até Kiev, cidade onde foram introduzidos livros sagrados e objetos de culto da Bulgária e de Bizâncio.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Missionação Bizantina na Rússia: Vladimir, o Santo Rei na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-20 14:11:54]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros