Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Montemor-o-Velho

Aspetos Geográficos
O concelho de Montemor-o-Velho, do distrito de Coimbra, localiza-se na região Centro (NUT II), no Baixo Mondego (NUT III). É limitado a norte pelo distrito de Cantanhede, a sul pelo de Soure, a este e sudeste pelo de Coimbra e Condeixa-a-Nova e a oeste pelo da Figueira da Foz. Localiza-se numa área de terrenos férteis, a cerca de 50 metros de altitude, na margem direita do rio Mondego.
Possui uma área de 229 km2, subdividida em 14 freguesias: Abrunheira, Arazede, Carapinheira, Gatões, Liceia, Meãs do Campo, Montemor-o-Velho, Pereira, Santo Varão, Seixo de Gatões, Tentúgal, Verride, Vila Nova da Barca e Ereira.
Brasão do concelho de Montemor-o-Velho
Em 2005, o concelho apresentava 25 126 habitantes.
O natural ou habitante de Montemor-o-Velho denomina-se montemorense.
História e Monumentos
A região onde se situa o concelho sofreu vários ataques mouros e foi reconquistada definitivamente em 1064, quando Fernando Magno reconquistou definitivamente as terras até à linha do Mondego.
O primeiro foral foi concedido à povoação do concelho em 1212, confirmado por D. Afonso III em 1298. Em 1516, D. Manuel I concedeu um novo foral ao "Concelho e Termo de Montemor-o-Velho". Montemor e o seu castelo tiveram um papel histórico importante, devido à sua posição estratégica na linha do rio Mondego.
Do património arquitetónico fazem parte o castelo, que é a maior fortificação do Mondego e uma das maiores do país; o Hospital Real (sécs. XIV-XV); a Capela de Santo António (séc. XI e reconstrução no séc. XIX), que se encontra em ruínas; a Capela de S. João (sécs. XI-XII); a Igreja de Montemor-o-Velho (S. Martinho); a Igreja de Santa Maria de Madalena (séc. XIII); a Igreja e Claustro da Nossa Senhora dos Anjos, fundada como convento em 1494 pelos frades eremitas de Santo Agostinho.
Tradições, Lendas e Curiosidades
O feriado municipal é a 8 de setembro, data em que se realiza a principal feira anual, e as festas concelhias. A importância desta data remonta a 1426, quando o Infante D. Pedro, Senhor de Montemor-o-Velho, institui entre 1 e 15 de setembro a feira franca. Nesta festa, destaca-se a Feira do Cavalo e a venda de produtos típicos da região. É realizada também uma feira quinzenal, às quartas-feiras, em que se vendem, entre outros produtos, os agrícolas e artesanato.
No concelho há também diversas festas religiosas, como a de S. Brás, no primeiro domingo de fevereiro; Nossa Senhora da Graça, em julho ou agosto; Nossa Senhora da Paz, em fevereiro; Senhor dos Passos, na semana anterior à Páscoa. É também de realçar a feira do livro, em março; a de artesanato, também em março; o Concurso de Vestido de Chita, em finais de agosto; o Festival de Teatro Citemor, em julho ou agosto.
Como curiosidade, será de referir que foi no castelo deste concelho que, a 6 de janeiro de 1355, D. Afonso IV reuniu o seu Conselho e decidiu aniquilar Inês de Castro, que se tinha enamorado por D. Pedro, seu filho e futuro rei de Portugal.
Economia
A estrutura económica deste concelho assenta mais no setor terciário, que ocupa cerca de 44% da população ativa. O setor secundário ocupa cerca de 35% da população. Apesar do peso do setor primário estar a decair, este é um dos concelhos do distrito de Coimbra onde este tem uma maior representatividade.
Em tempos, o setor agrícola seria o mais importante, contudo é o terciário que se tem vindo a desenvolver, talvez devido a instalação de repartições de administração, instituições financeiras e de serviços e também uma cadeia de distribuição alimentar. Será contudo de referir que a cultura do arroz tem uma importância de destaque pela presença de uma escola profissional agrícola e da cooperativa de serviços da zona agrária.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Montemor-o-Velho na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 15:11:04]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros