Natal WOOK
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

morfina

A morfina é o mais importante dos alcaloides extraídos do ópio, onde se encontra com uma abundância da ordem dos 10%.
Foi descoberta por F. W. Sertürner, em 1804.
Apresenta a fórmula molecular C17H19NO3 e possui uma estrutura bastante complexa derivada da isoquinoleína.
A morfina cristaliza como mono-hidrato, em metanol diluído, na forma de prismas rômbicos. É uma base oticamente ativa e como tal é utilizada em química na resolução de racematos ácidos.
A morfina é um narcótico que começa por diminuir a sensibilidade à dor, torna a respiração mais profunda e causa forte sensação de bem-estar (euforia). Em doses mais elevadas, torna-se tóxica provocando colapso, sono profundo, paralisia do centro respiratório, cianose intensa do rosto e vómitos.
Utiliza-se com finalidades terapêuticas, geralmente injetável, mais raramente em pó, compridos ou gotas.
É também usada como analgésico poderoso e por vezes como antiespasmódico. O seu uso comporta grandes riscos, dado que provoca hábito e dependência (morfinismo), pelo que está submetida a disposições legais.
O seu comércio e distribuição são controlados internacionalmente com rigidez.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – morfina na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-12-01 12:35:34]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río