Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Mosteiro de Tibães

Possivelmente fundado no século VI, o Mosteiro de S. Martinho de Tibães localiza-se na povoação de Mire de Tibães, nas proximidades de Braga, revelando-se um monumento beneditino da maior grandeza no panorama do Barroco português.
Com uma atribulada gestão ao longo da Idade Média, este rico cenóbio foi-se libertando da tutela de padroeiros gananciosos, tornando-se no século XVIII um importante centro cultural, devido à sua animada tertúlia intelectual reunida em torno da Arcádia Tibanense. Contudo, também o ano de 1834 se revelou fatídico para este monumento, dado que foi votado ao esquecimento e à ruína com a extinção das Ordens religiosas.
O atual edifício conventual e sua igreja são construção dos séculos XVII-XVIII. Um terreiro com larga escadaria conduz à sóbria e robusta fachada da igreja, ladeada por altas e movimentadas torres sineiras de cobertura bolbosa. A fachada é depurada, apresentando um frontão triangular com volutas terminais, janelas, nichos com estátuas de S. Martinho, S. Bento e Sta. Escolástica; no piso térreo abre-se um arco abatido cobrindo a porta axial, ladeada por arcos enquadrando janelas elípticas.
O interior apresenta uma nave ampla coberta por abóbada de caixotões, marcando as paredes fortes pilastras a delimitar as várias capelas laterais. Estas apresentam-se profusamente envolvidas por decorativos retábulos de talha dourada barroca, valorizados por esculturas sagradas em madeira estofada, pedra ou barro. O resto do templo é submergido por uma onda de talha rocaille, ocupando literalmente o espaço das sanefas das janelas, dos púlpitos, grades, bancos, altares e varandas.
O coro alto é dominado pelo soberbo cadeiral barroco conventual, realçado pelos expressivos relevos policromados e sagrados que cobrem os espaldares e complementado pelo belíssimo trabalho em talha dourada da sanefa do janelão central, da grandiosa caixa do órgão e do oratório, obras produzidas por frei José de Sto. António Vilaça e executadas na segunda metade do século XVIII.
A capela-mor possui uma movimentada e elegante composição cenográfica, obra delineada pelo arquiteto André Soares, artista que projeta igualmente os assimétricos retábulos rocaille das capelas colaterais e os púlpitos da igreja. Outros mestres entalhadores e escultores deixam aqui a sua marca, como são o caso de frei Cipriano da Cruz ou José Álvares Araújo.
A grande sacristia é coberta por um teto de madeira repartido em 35 caixotões pintados, encontrando-se ainda esplendorosas composições de talha rocaille e uma escultura do Crucificado, da autoria de frei José Vilaça.
O claustro principal, contíguo à sacristia, é formado por arcos de volta perfeita assentes em colunas da ordem toscana, repartidos em nove tramos, tendo ainda no pátio um chafariz central. Infelizmente, diversos incêndios, roubos e incúrias várias fizeram desaparecer grande parte dos azulejos barrocos setecentistas, azuis e brancos, que cobriam as paredes claustrais e que narravam episódios da vida de S. Bento.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Mosteiro de Tibães na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-29 19:51:32]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais