Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Musa Alentejana

Volume de poesias caracterizado pelo lirismo bucólico e pitoresco de inspiração neorromântica, perpassado pela presença da paisagem física e humana do Alentejo ("Canções das rosas", "Ao rebentar das seivas", "As mondadeiras", "Moças de Bencatel", "O senhor morgado", "A cruz de trovisco", "Tragédia rústica", "Benvinda"). A nostalgia do espaço mítico da infância (expressa logo no poema de abertura, "A sesta"), conducente à melancolia do sujeito poético ("Há que tempo que isto foi! Os anos passam/ E a gente muda tanto!/ Nos turbilhões desta contínua lida/ Fica-nos muitas vezes esquecida/ Qualquer bela impressão da nossa vida,/ Como uma flor que nos caísse a um canto!", em "A velha canção"), relaciona-se com a evocação da figura materna (em "A santa Cruz") e com o apregoar do ideal de regresso às origens (em "Salada primitiva", "Íntima paz", "A ceia").
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Musa Alentejana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-12 09:27:49]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros