Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Myanmar

Geografia

País do Sudeste Asiático, anteriormente designado por Burma, que, até 1989, foi denominado Birmânia. Banhado pelo golfo de Bengala e pelo mar das Andaman, faz fronteira com o Bangladesh, a noroeste, a Índia, a norte, a China, a nordeste, e o Laos e a Tailândia, a leste. Abrange uma área de 678 500 km2. As cidades mais importantes são Rangum, a capital, com 4 454 500 habitantes (2004), Mandalay (1 176 900 hab.), Moulmein (405 800 hab.), Pegu (200 900 hab.) e Bassein (215 600 hab.). O país é bastante montanhoso no Norte e mais plano no Sul, destacando-se a planície aluvial drenada pelo rio Irrawadi que termina num extenso delta.
Bandeira de Myanmar
Essencialmente agrícola, a economia birmanesa sustenta-se na exportação de arroz, teca e borracha

Clima

O clima é tropical de monção com uma estação seca que ocorre de novembro a abril e na qual as temperaturas são mais baixas sempre que se fazem sentir os ventos frios que sopram do interior. A estação húmida é dominada pela monção de sudeste que origina forte precipitação e se faz sentir de maio a outubro.

Economia

A economia do Myanmar assenta, sobretudo, na agricultura e no comércio. As culturas dominantes são o arroz, a cana-de-açúcar, os legumes, o amendoim, a banana, o sésamo, o milho, a batata, o algodão, o tabaco e a juta. O país tem várias jazidas de prata, de cobre, de chumbo, de zinco, de tungsténio, de estanho, de petróleo, de gás natural, de rubis, de safiras e de esmeraldas. A indústria abrange o cimento, os produtos petrolíferos, o açúcar refinado, o óleo de amendoim, os produtos alimentares, as bebidas, os fertilizantes, o vestuário e os cigarros.

Os produtos mais exportados são o arroz, a teca (madeira), os metais e as pedras preciosas. O gás natural poderá, a curto prazo, ser um forte produto no quadro das exportações. O turismo começa a ser uma atividade com reflexo na economia. Os principais parceiros comerciais são Singapura, o Japão, a Indonésia e a Tailândia.

População

A população está estimada em 47 382 633 (est. 2006) habitantes, o que corresponde a uma densidade de aproximadamente 63,24 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 17,91%o e 9,83%o. A esperança média de vida é de 60,97 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,549 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) não foi atribuído (2001). As maiores etnias do país são a birmanesa (69%), a chan (9%) e a karen (6%). A religião maioritária é a budista (89%). A língua oficial é o birmanês.

História

O Myanmar foi anexado pela Grã-Bretanha em 1885, após três guerras de fronteira, e transformou-se numa província indiana. Durante a Segunda Guerra Mundial, o país foi ocupado pelos japoneses. Em 1947 tornou-se independente e abandonou a Commonwealth. Em 1962 foi instaurado um regime socialista, depois de um golpe militar. Os maiores setores económicos foram imediatamente nacionalizados, a rápida industrialização fracassou e o isolamento do resto do mundo foi aumentando.

No final da década de 1980, a corrupção e a má administração do Governo tornaram o Myanmar num dos países mais pobres do mundo. Em 1990 realizaram-se as primeiras eleições multipartidárias em trinta anos. A Liga Nacional para a Democracia (LND) obteve a vitória, mas as forças militares continuaram a controlar o poder, depois de impedirem os líderes do partido, Tin U e Suu Kyi (filha do líder nacionalista Aung San, assassinado em 1947), de governar.

Tin U exilou-se no Oeste, enquanto Suu Kyi foi mantida, desde 1989, sob prisão domiciliária. A comunidade internacional condenou sistematicamente as ações sangrentas levadas a cabo pelo regime militar. Em 1991, Suu Kyi foi galardoada com o Prémio Nobel da Paz e, em 1995, surpreendentemente, foi libertada.

Nos anos seguintes, Suu Kyi apelou à comunidade internacional para isolar o regime militar no poder, na sequência da política de repressão e de contínuas perseguições aos ativistas da oposição. Contudo, apesar de alguns embargos, o regime foi tendo o beneplácito das organizações em que se pretendia integrar. Conversações foram mantidas entre Aung San Suu Kyi e os líderes militares desde 2000, o que não acontecia desde 1994.

Em 2003, após fortes críticas ao governo e confrontos entre os seus fiéis apoiantes e as forças governamentais, Aung San Suu Kyi foi novamente colocada em prisão domiciliária. Foram abertas exceções em 2006 e depois em setembro de 2007 para que pudesse receber Ibrahim Gambari, enviado pelas Nações Unidas numa tentativa de mediar conversações entre o poder e a oposição. Neste último ano, aquando do seu aniversário, cerca de um milhão de apoiantes, liderados por monges budistas, manifestaram-se em frente à sua casa contra a junta militar num apelo à democracia, o mesmo acontecendo em outros locais do país. Este acontecimento deu origem a novos confrontos entre as duas forças políticas, levando a manifestações de apelo internacionais para o restauro da democracia em Myanmar.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Myanmar na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 07:46:05]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros