Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Navarra

Região autonómica no Nordeste de Espanha, encontra-se alcandorada nos Pirenéus e tem uma língua, tradições e costumes maioritariamente bascos.
Foi em Navarra que os Romanos se estabeleceram definitivamente cerca de 74 a. C., quando fundaram a cidade de Pompaelo (Pamplona), depois de grande resistência e dificuldades impostas pelos habitantes da região, denominada usualmente de Vascongadas. As suas comunidades, fortemente aguerridas e arreigadas às suas tradições, como hoje ainda, conheceram relativa independência nos séculos VI e VII, com sucessivas guerras contra os Visigodos desde 412. Pamplona seria conquistada em 711 pelos muçulmanos, que não exerceriam grande influência na região mas permitiriam uma certa autonomia. É neste período que se registam as primeiras tentativas de independência plena, com o entendimento de alguns chefes bascos com os muladis (cristãos que viviam islamicamente entre os muçulmanos da Espanha) do vale do Ebro, semi-independentes do domínio árabe. Esta cooperação entre os dois povos, entalados entre o domínio muçulmano e o dos Francos (que desistem da região com a derrota em Roncesvalles, em 778, optando pela Catalunha), servirá de cenário à declaração de independência do primeiro reino basco de Pamplona, chefiado por Iñigo Arista (770-852), fundador da dinastia Iñiga.
A desagregação do Império Carolíngio a partir de 843 (Tratado de Verdun) diminuirá o perigo franco, depois de uma aliança inicial. Nesta altura, toda a Navarra está cristianizada e é já um reino verdadeiro, entrando na esfera do reino de Astúrias-Leão, o que a torna mais forte perante os muçulmanos, visto os muladis do Ebro estarem agora subjugados pelo califado de Córdova. Depois da sua queda e da tempestade islâmica de Almançor ter passado na Península, Navarra conhece algum esplendor com Sancho III, que amplia o seu território com a conquista de La Rioja, Guipúzcoa e Biscaia, entre outras terras. Navarra é, também, a porta de entrada das correntes feudais europeias na Península, bem como do monaquismo de Cluny, para além de se situar numa rota importante de peregrinação para Santiago.
Porém, a morte daquele soberano, em 1035, originará a partilha do reino pelos filhos, a sua desagregação e consequente absorção pelos reinos vizinhos dos seus territórios. Só depois da morte de Afonso I de Aragão, em 1134, se retomará a via da independência em Navarra, quando Garcia V Ramirez restaura o reino. Dá-se, então, uma aproximação a Castela, com o objetivo de tentar reaver territórios antigos. A última participação de Navarra na Reconquista dar-se-á em Navas de Tolosa, em 1212. O contacto geográfico com os muçulmanos já não existe, fechado que estava a sul o reino por Castela e Leão, que cada vez mais pressionavam as fronteiras de Navarra, obrigando os seus soberanos a procurar apoio além-Pirenéus. Esta iniciativa marcará indelevelmente o futuro da monarquia navarra, já que, a partir de 1234, o país será governado sucessivamente por três dinastias francesas: Champagne, Capetos, Evreux. De 1314 a 1328, será mesmo um território francês, retomando depois a independência, estabelecendo-se nessa altura os fueros (privilégios e leis próprias) e as cortes. Porém, mantém-se sob o reinado de dinastias francesas (Evreux) até ao século XV, quando se submete a Aragão pelo casamento de Branca de Navarra com João II de Aragão, em 1419.
Dá-se, no reinado de João II, uma guerra civil entre este monarca e seu filho Carlos de Viana, herdeiro do trono navarro, desenvolvendo-se igualmente uma guerra cruel entre beaumonteses (bascos das montanhas) e agramonteses (povos castelhanizados da planície). Herdará o trono de Navarra sua filha Leonor, que, ao casar-se com Gastão de Foix, passa o reino para aquela família francesa. Em 1512, Fernando, o Católico, ocupa a parte espanhola de Navarra, aquém-Pirenéus, ficando a outra parte do reino independente. A autonomia manter-se-á, contudo, na parte espanhola, não se alterando algumas leis e instituições. Além Pirenéus, a França acabará por anexar a parte norte do velho reino navarro em 1589, acabando com o último bastião independente de Navarra. Nos séculos seguintes, Navarra apoiará o absolutismo e manifestar-se-á conservadora. Na Guerra da Sucessão de Espanha, em meados do século XVIII, apoiará o partido do duque de Anjou, futuro Filipe V.
As invasões napoleónicas (1804-14) exacerbarão o seu nacionalismo. Os seus fueros antigos, porém, serão alterados em 1841, o que faz com que deixe de ser reino (embora integrado no estado espanhol) e passe a província, ainda que gozando de autonomia administrativa e económica. Na Guerra Civil de Espanha (1936-39) alinhará ao lado dos franquistas (movimento fascista liderado por Franco). Dividida entre viver integrada num País Basco autonómico ou seguir a sua marcha histórica separada daquela região, opta pela segunda hipótese, em 1982, transformando-se em Comunidade Foral de Navarra. Apesar de comunidade autonómica separada do País Basco (Euskádi), Navarra tem uma população maioritariamente basca, possuindo padrões sociais e afinidades culturais comuns àquela região.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Navarra na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 00:22:57]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais