Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Norberto Bobbio

Filósofo italiano, Norberto Bobbio nasceu a 18 de outubro de 1909, na cidade de Turim, Itália. Depois de ter estudado Filosofia do Direito, ensinou esta disciplina em Camerino, de 1935 a 1938, em Siena, de 1938 a 1940, e em Pádua, de 1940 a 1948. Em Camerino conheceu Aldo Capitini e Guido Calogero e começou a frequentar as reuniões do movimento liberal socialista. De Camerino transferiu-se para Siena, onde colaborou com Mario delle Piane, e em 1940, em Pádua, tornou-se amigo de Antonio Giuriolo. Sucessivamente, aderiu em 1942 ao Partido da Ação. Em Pádua, colaborou com a Resistência, ao lado de Giancarlo Tonolo e Silvio Trentin. Ensinou, mais tarde, Filosofia de Direito na Universidade de Turim, de 1948 a 1972, e Filosofia da Política, ainda em Turim, de 1972 a 1979.
A partir de 1979 tornou-se professor emérito da Universidade de Turim. Sócio nacional da Academia de Lincei, foi desde 1966 sócio correspondente da British Academy. Em 1984, Bobbio lançou uma forte polémica com a "democracia do aplauso" no Congresso de Verona. Em 1984, foi nomeado senador a convite do presidente da República de então, Sandro Pertini. Recebeu uma menção de honra pela Universidade de Paris, da Universidade de Buenos Aires, da Universidade de Madrid e da Universidade de Bolonha. Foi diretor da Revista de Filosofia juntamente com Nicola Abbagnano.
Consagrou a sua vida à filosofia política e de direito. Editou, entre outros, Teoria delle scienza giuridica, em 1950, Politica e cultura, em 1955, Teoria delle norma giuridica, em 1958, Quale socialismo?, em 1976, Il futuro delle democrazia, em 1984, L'eta dei diritti, em 1990, e Destra e sinistra, em 1994.
O seu trabalho é vasto e heterogéneo, desde filosofia do direito à ética, da filosofia política à história das ideias, sem esquecer os grandes debates contemporâneos, invariavelmente analisados com lucidez e coerência filosófica. Bobbio admite que a democracia resistiu a todas elas, mas a vitória não é definitiva. Aliás, "numa visão laica (não mítico-religiosa), liberal e realista (não totalizadora e utópica) da História, nada é definitivo". A dúvida de Bobbio é sobre se a democracia se expandirá ou, pelo contrário, caminhará para uma gradual extinção.
Em 1989, ano do desmoronamento do comunismo, ele já alertava para os desafios que permaneciam para a democracia. Num mundo de "espantosas injustiças", diz Bobbio, não se pode pensar que a "esperança de revolução" tenha morrido "só porque a utopia comunista faliu".
A mesma preocupação, de resto, conduziria o filósofo a mais uma das suas polémicas, em 1994, no debate eleitoral italiano: a dicotomia esquerda/direita sobrevivia, apesar de muitos a declararem morta. E sobrevivia numa distinção fundamental: "A diversa postura que os homens organizados em sociedade assumem diante do ideal de igualdade" - tendo a esquerda vocação igualitária e a direita inigualitária.
Bobbio finalizou as suas atividades docentes (a que dedicou 40 anos) em 1979, aos 70 anos. Para ele, "a velhice é indissolúvel do seu sentido de fim". Em relação à História, Bobbio elucida: "Existe uma saída, mas não sabemos onde está. Não havendo ninguém do lado de fora que nos possa indicá-la, devemos procurá-la por nós mesmos. O que o labirinto ensina não é onde está a saída, mas quais são os caminhos que não levam a lugar algum".
Norberto Bobbio morreu aos 94 anos, no dia 9 de janeiro de 2004, na cidade italiana onde nasceu.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Norberto Bobbio na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-10 21:55:36]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais