Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Oaristos

É usual datar-se de 1890, data da publicação do volume de poesia Oaristos de Eugénio de Castro, a afirmação do Simbolismo em Portugal. Com rigor dever-se-ia dizer de um tipo de Simbolismo, com precisão, um simbolismo de matriz essencialmente verlainiana, dado que as "primícias" da "nova maneira do Poeta", teorizadas no seu prefácio e cumpridas nas composições coligidas, insistem essencialmente em aspetos atinentes a uma autonomização do significante linguístico, a um trabalho do estilo, que deveria, fazendo retrair a subjetividade e a inspiração, bem como qualquer intuito social ou pedagógico, traduzir sobretudo um investimento na musicalidade e na construção do poema. A defesa da "liberdade do ritmo", o recurso frequente à "aliteração", a preferência por "raros vocábulos" e "rimas raras" são algumas das reivindicações de carácter formal apresentadas nesse célebre prefácio a Oaristos, a que acresce ainda uma inconsciente assimilação do simbolismo a um "estilo chamado decadente", o que contribuiu, desde o momento da sua afirmação, para uma certa indistinção entre as estéticas simbolista e decadentista. Na sequência deste prefácio, as composições coligidas em Oaristos possuem, como traços mais salientes, a insistência sobre processos fónicos, como o ritmo, a aliteração, os paralelismos; o uso de vocábulos raros que chamam a atenção sobre a superfície sonora da palavra; o recurso à metáfora e ao símbolo enquanto processos geradores unicamente de um efeito de sugestão, de vago, de difuso; e, de um modo geral, um inquestionável pendor esteticista e elitista.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Oaristos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 13:07:32]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros