Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Obra Breve

Em abertura, a autora explica o critério de organização desta antologia pessoal: "Em Obra breve, os pequenos livros de meus poemas reúnem-se de uma forma contígua - tal como foram vividos. As cortinas delimitam, confundindo-os, livros e partes de livros; poemas inéditos preenchem alguns intervalos. Na verdade, cada livro tinha sido apenas um corte - a poesia vai sendo escrita, transformada, recordada, ao correr do tempo todo." Reúne, assim, entre volumes já editados, mas aqui, na maior parte dos casos, acrescentados e refundidos, e textos inéditos, as seguintes obras: Morfismos (1961), Barcas Novas (1967), (Este) Rosto (1970), Era (1974), Novas Visões do Passado (1975), Visões Mínimas (1968-1974), Homenagemàliteratura (1976), Melómana (1979), Natureza Paralela (1978), Área Branca (1976-1979), 14 Polissílabos sobre Anjos (1978-1980), Cântico Maior Atribuído a Salomão, 13 Poemas de Amor pelos Livros, Âmago I (Nova Arte), Entre os Âmagos (1983-1987), Três Rostos (1984-1989) (Âmago II (Nova Natureza), Poemas Previstos, Arómatas e Ecos) e Três Livros. Poesia nascida da consciência da impotência das palavras para comunicar uma essência e um sentido de ligação cósmicos perdidos, impotência redobrada pela erosão e desgaste que o tempo impôs às palavras, a escrita de Fiama nega a referencialidade de uma linguagem que, mediadora, contraria a relação direta do Homem com o mundo ("Toda a crítica tem exaltado o poema / como uma produção da mecânica manual / oposta à idade do amor espontâneo, / os jorros do lirismo. // (... (Como evitar que o fim da página / se ligue ao cosmos materialmente / e, em vez de tornar-se um tecido / tranquilo, o poema se desagregue, / repetindo assim o movimento / de que nascera e fora contrariado / pela escrita. Ao chocalhar / todas as frases, os versos / caem uns dentro, / e o poeta vê-se perante a impotência / de os refazer sílaba a sílaba." ("Rosas, 10", in Área Branca)), reinvestindo a palavra da sua literalidade e aspirando a uma expressão pura: "Escrevo como um animal, mas com menor / perfeição alucinatória. Não sei imprimir as três linhas / convergentes do pé da gaivota, nem os pomos / leves da pata dos felinos. Só de uma forma rudimentar / escrevo, e estou a predestinar-me ao fim" ("Rosa", 17, in Área Branca).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Obra Breve na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:19:50]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais