Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Odemira

Aspetos Geográficos
O concelho de Odemira, do distrito de Beja, localiza-se no Alentejo (NUT II), no Alentejo Litoral (NUT III), ocupa uma área de 1721,5 km2 e abrange 17 freguesias: Colos, Relíquias, Saboia, Santa Clara-a-Velha, Santa Maria, São Luís, São Martinho das Amoreiras, São Salvador, São Teotónio, Vale de Santiago, Vila Nova de Milfontes, Pereira-Gare, Bicos, Zambujeira do Mar e Luzianes-Gare.
O concelho encontra-se limitado a norte pelos concelhos de Sines e Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal, a este por Ourique, a sul por Aljezur e Monchique, no distrito de Faro, a sudeste por Silves (distrito de Faro) e a oeste pelo oceano Atlântico.
Praia da Zambujeira do Mar, no concelho de Odemira
Brasão do concelho de Odemira
Este concelho apresentava, em 2005, um total de 25 695 habitantes.
O natural ou habitante de Odemira denomina-se odemirense.
Possui um clima mediterrânico, com um período seco de 80 a 100 dias, durante o verão, em que a temperatura média varia entre os 23 ºC e os 29 ºC. No inverno, as temperaturas são amenas. Existem algumas diferenças climáticas entre o litoral e o interior do concelho.
A sua morfologia é marcada pela serra da Brejeira (478 m) e pela Pedra da Foz.
Dos recursos hídricos, de referir o rio Mira, a ribeira de Campilhas, a albufeira de Santa Clara e toda a área de costa banhada pelo Atlântico, como a praia da Zambujeira e de Vila Nova de Milfontes, onde desagua o rio Mira.
As terras deste concelho estão abrangidas pelo Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, que inclui o litoral dos concelhos de Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo. É uma zona de importantes valores naturais, paisagísticos, geológicos, geomorfológicos, florísticos e faunísticos, património arquitetónico, histórico ou tradicional e arqueológico.
História e Monumentos
O povoamento deste concelho é bastante remoto, anterior aos Romanos, devido à situação estratégica destas terras, no vale do rio Mira, que seria uma via importante de entrada no interior do Alentejo.
Em 1166, o território foi conquistado aos mouros por D. Afonso Henriques e, a 28 de março de 1256, D. Afonso III outorgou-lhe foral, renovado por D. Manuel, a 5 de setembro de 1510.
A nível do património arquitetónico, destaca-se o forte de Milfontes, cuja construção foi proposta por Massai (séculos XVI-XVII). Do seu pedestal rochoso o forte abre sobre ponte levadiça, o fosso encheu-se de flores, as heras trepam as muralhas e o interior surge como um paço senhorial. Destaca-se também o santuário de Nossa Senhora da Piedade, a padroeira do concelho, com grande devoção popular na região. A capela fica localizada num adro com coreto e foi restaurada em 1993. No seu interior existe uma imagem de Nossa Senhora com o Menino ao colo.
Tradições, Lendas e Curiosidades
São muitas as manifestações populares e culturais no concelho, sendo de destacar a festa da padroeira, cuja data de realização é móvel, entre 10 e 20 de agosto, merecendo referência a sua procissão fluvial. A festa de Santa Bárbara, no segundo domingo de outubro; as feiras anuais, no 1.º de maio e a 7 de agosto; o festival de mastros, realizado de 12 a 29 de junho; a feira anual de atividades económicas, na terceira semana de julho; o mercado mensal, na primeira segunda-feira de cada mês; e a festa de Nossa Senhora da Piedade, nos dias 7 e 8 de setembro, cuja romaria é animada com bandas, fogo de artifício e espetáculos musicais.
No artesanato, de referir os trabalhos de cestaria em verga e cana, olaria, tapeçaria, trabalhos pintados em pedra, carvoaria e rendas e bordados.
Economia
No concelho predominam as atividades ligadas ao setor terciário, nas áreas da hotelaria e turismo, seguido do secundário, com as indústrias de construção civil, mobiliário, serração de madeiras, metalomecânica, cerâmica e panificação.
A agricultura tem ainda alguma importância, quase 49% da área do seu território com dedicada à prática da atividade agrícola, destacando-se os cultivos de cereais para grão, prados temporários e culturas forrageiras, culturas industriais, pousio, olival, prados e pastagens permanentes.
A pecuária mantém algum valor nomeadamente na criação de ovinos, bovinos e aves.
Cerca de 16 655 ha do seu território correspondem a área coberta de floresta.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Odemira na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 09:05:13]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros