Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Odysseus Elytis

Poeta grego, Odysseus Alepoudelis nasceu a 2 de novembro de 1911, em Heraclion, na Ilha de Creta. Oriundo de uma família influente de industriais de saponificação, acompanhou a mudança dos pais para Atenas, onde recebeu a sua educação.
Após ter concluído os seus estudos secundários em 1930, ingressou no curso de Direito da Universidade de Atenas mas, descobrindo a poesia, abandonou as aulas ao fim de cinco anos infrutíferos. Nesse ano de 1935 foi inserido no negócio familiar, dedicando os seus tempos livres à composição de poemas, que foi publicando na revista Ta Nea Grammata.
Em 1937 frequentou a Escola de Cadetes, promovida pelos oficiais da reserva e, após a invasão da Grécia pelas tropas alemãs no âmbito da Segunda Guerra Mundial, juntou-se ao movimento da Resistência, servindo como alferes (segundo-tenente) na Campanha da Albânia, entre 1940 e 1941. Nos anos 40 publicou uma coletânea dos seus trabalhos intitulada Prosanatolismoi (Orientações). Em 1943 o seu poema Asma Hèròiko Kai Penthimo Gia Ton Chameno Anthypolochago Tés Alvanias (Canção Heroica e Elegíaca em Memória do Segundo Tenente da Campanha Albanesa), escrito na altura da ocupação da Grécia pela Alemanha Nazi, tornou-o numa espécie de profeta para os gregos, uma vez que os auxiliou a recuperar a autoestima.
Em 1945 foi nomeado diretor de programação da Fundação Nacional da Rádio grega, mantendo sempre uma colaboração ativa com a imprensa. Em 1948 mudou-se para Paris e ingressou no curso de Literatura da Sorbonne. Teve oportunidade de conhecer personalidades de relevo como André Breton, Pablo Picasso e Henri Matisse, e de viajar um pouco por toda a Europa, sendo o representante grego em vários congressos dedicados à crítica artística e literária.
De regresso à Grécia em 1953, assumiu um papel preponderante na organização da vida cultural do país, ligando-se mais intensamente ao Teatro Nacional. Publicou, entre outras obras, O Ilios O Iliatores (1971), Maria Nefeli (1978) e Ho Mikros Nautilos (1986).
Considerado como o poeta do Sol, Odysseus Elytis foi um grande cultor do Helenismo em toda a sua extensão histórica.
Foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1979.
Odysseus Elytis faleceu a 18 de março de 1996.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Odysseus Elytis na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 08:03:10]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais