Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Os Maias

Romance em dois volumes, publicado em 1888 com o subtítulo Episódios da vida romântica, é considerado pelos críticos a melhor obra de Eça de Queirós e uma das obras-primas da literatura portuguesa. A primeira referência ao título Os Maias terá surgido numa carta ao editor Chardron, de 1878, como uma das obras a serem incluídas na série Cenas portuguesas ou Cenas da vida portuguesa, o que indica que a gestação do romance tenha durado cerca de dez anos.
Vale principalmente pela linguagem em que está escrito e pela fina ironia com que o autor define os caracteres e apresenta as situações. É um romance realista (e naturalista) onde não faltam o fatalismo, a análise social, as peripécias e a catástrofe próprias do enredo passional.
A obra ocupa-se da história de uma família (Maia) ao longo de três gerações, centrando-se depois na última geração. Apresenta dois planos cruzados: o da intriga sentimental, com a história de amor incestuoso, marcada por ingredientes trágicos, entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, desdobramento dos amores infelizes entre Pedro da Maia e Maria Monforte, e o da crítica social. A história é também um pretexto para o autor fazer uma crítica à situação decadente do país (a nível político e cultural) e à alta burguesia lisboeta oitocentista, por onde perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que configura a derrota e o desengano de todas as personagens.
Lisboa, juntamente com Olivais e Sintra, é um dos principais cenários de <i>Os Maias</i>, de Eça de Queirós
Retrato de Eça de Queirós, autor de "Os Maias"
Obra "Os Maias", de Eça de Queirós
Vincando nesta obra o conflito que o opunha ao país, Eça procede a um inquérito da sociedade portuguesa nos mais diversos domínios: o parlamentarismo, representado pelo conde de Gouvarinho e por Sousa Neto; o meio cultural, satirizado no episódio do sarau no Teatro da Trindade; o jornalismo corrupto, encarnado por Palma Cavalão; as consequências da educação beata e provinciana, espelhada em Eusebiosinho; o romantismo literário, tipificado em Tomás de Alencar; sendo João da Ega, o inseparável amigo de Carlos, o principal acusador dos males do país, mas estando ele próprio não isento de ridículos. Sob o ponto de vista da evolução estético-literária de Eça de Queirós, o romance tem sido entendido como um momento de confrontação do Realismo-Naturalismo. De facto, se, por um lado, a composição de personagens como Pedro da Maia, Eusebiosinho ou até Carlos da Maia em criança, bem como a crónica social conducente ao diagnóstico pessimista da desgraça do país e da degenerescência da raça são de cariz naturalista, por outro lado, a ambiguidade do protagonista Carlos, o estatuto e as perspetivas do narrador e sobretudo o peso da fatalidade transcendente que parece surgir como a principal determinante do incesto, cuja progressão trágica é assinalada por uma série de presságios, constituem fatores de questionamento do Realismo-Naturalismo, sem que levem o autor a afastar-se definitivamente dele.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Os Maias na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-17 19:21:46]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais