Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Os Meus Amores

Volume de contos rústicos, de Trindade Coelho, que conheceu três edições sucessivas em vida do autor e goza ainda hoje de uma grande popularidade, constituindo, de facto, uma obra única da literatura portuguesa. Sobre o realismo das histórias (veja-se a série "Comédia da província"), marcadas pela evocação saudosista da vida rural e imbuídas de reminiscências da infância (o autor chamou-lhes "saudades"), paira quase sempre uma visão idealista da província, impregnada de um moralismo subtil, que distingue Trindade Coelho, por um lado, do Realismo-Naturalismo de Teixeira de Queirós, por outro lado, de outros cultores do conto rústico, como Júlio Dinis, Pedro Ivo ou Rodrigo Paganino, onde o propósito edificante é bem mais evidente. Trata-se quase sempre de enredos simples, que exaltam a genuinidade dos tipos e das paixões rurais, seja o amor inocente que une os protagonistas de "Idílio rústico", seja o amor materno em "Mater dolorosa", seja o remorso pungente de José Gaio em "Vae victoribus!", seja a paixão entre Luísa e Tónio em "Vae victis!" ou entre Manuel e Maria Rosa em "Manuel Maçores", e exploram todas as tonalidades do sentimento, da balada suave ("Idílio rústico", "Maricas") à tragédia intensa ("Última dádiva", "Vae victoribus!", "Manuel Maçores", este baseado num caso de justiça que passou pelas mãos do autor, em Portalegre), da profunda tristeza ("Abyssus abyssum", "Mater dolorosa") à alegre bonomia ("Para a escola", "Luzia"). A terceira parte da coletânea, intitulada "Amorinhos", fixa por escrito quatro narrativas de tradição oral. O estilo do autor caracteriza-se pela naturalidade e pela coloquialidade, incorporando nos diálogos diversos regionalismos e entremeando a narração de interpelações ao leitor: "Façamos de conta que a boca se calou, com efeito. Que não se calou. Mas, neste particular, o resto do diálogo convém que se omita, mesmo porque afinal nem eu nem os senhores queremos mal à mulher do José da Loja" (de "Prelúdios de festa").
José Francisco Trindade Coelho, escritor nascido em Trás-os-Montes
Trindade Coelho (1861-1908), autor do volume de contos rústicos "Os Meus Amores"
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Os Meus Amores na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-24 17:06:55]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Os Meus Amores na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-24 17:06:55]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais