Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

P. D. James

Escritora inglesa, Phyllis Dorothy James White nasceu em 1920, em Oxford. Filha de um funcionário das finanças de escassas possibilidades económicas, teve que deixar a escola que até então havia frequentado, a Cambridge's Girls High School, para passar a trabalhar também numa repartição de finanças. Abandonando esta posição, passaria a desempenhar as funções de coordenadora-adjunta de cena no Festival Theatre, em Cambridge.
Casou aos vinte anos de idade com um médico, o Dr. White, que regressou da Segunda Guerra Mundial com perturbações mentais graves e que o afetariam até à data da sua morte, em 1964. A sua primeira filha, Clare, nasceu em 1942, e a segunda, de nome Jane, em 1944, pouco depois de uma grande ofensiva bombardeira em Londres.
A partir de 1949, e pela obrigação de prover ao sustento das suas filhas e marido, P. D. James optou por trabalhar nos serviços de saúde, tendo chegado ao posto de administradora de hospital. Em 1959 começou a escrever e, três anos depois publicou o seu primeiro romance policial, Cover Her Face, a que se seguiriam outros sete igualmente bem acolhidos pela crítica, entre os quais Shroud For a Nightingale, Death Of An Expert Witness e The Skull Beneath The Skin.
Dando um cuidado minucioso à elegância do detalhe dos ambientes em que a ação das suas obras decorre, P. D. James tornou-se notada pela relevância com que cada objeto é colocado na resolução dos crimes que Adam Dalgliesh, um detetive intelectual e poeta da Scotland Yard consegue resolver.
A inspiração para os seus trabalhos terá sido encontrada não só em diários e biografias, como também por divagações à beira-mar e nas cidades, que fascinariam a escritora pela sua arquitetura georgiana e vitoriana.
Após a morte do marido, a autora pôde candidatar-se com sucesso a um exame para entrada nos quadros do departamento de criminologia da Administração Interna britânica, profissão que viria a alterar o seu ritmo de escrita. A fatiga do dia de trabalho faria com que deixasse de escrever à noite, passando a fazê-lo de manhã cedo e durante os fins de semana.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – P. D. James na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-16 10:43:57]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais