Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

palatalização

Fenómeno fonético através do qual um segmento fónico muda o seu ponto de articulação orginário para assumir uma articulação ao nível da região do palato duro. A palatalização decorre de um fenómeno de assimilação, na medida em que um dado som influencia o som vizinho transmitindo-lhe, neste caso, a propriedade da articulação palatal. A palatalização é um fenómeno frequente na história da língua portuguesa, sendo responsável pela introdução inovadora das consoantes palatais [S], [Z], [L], [N] no português e em outras línguas românicas, já que essas palatais eram inexistentes no latim. As consoantes palatais resultaram, muitas vezes, da influência assimiladora da semivogal [j], que é também um som palatal:

i) hodie > hoje
ii) invidia > inveja
iii) filiu(m) > filho
iv) venio > venho
v) passione(m) > paixão

Também ocorreu um fenómeno de palatalização na evolução dos grupos consonânticos -pl-, -cl- e -fl-, que começaram por desenvolver uma consoante africada [tS], consoante essa que veio a simplificar-se em português moderno, mas que se mantém no português do Brasil e no galego, atestando essa evolução intermédia. Os exemplos seguintes mostram já a fase final da evolução destes grupos em português moderno:

vi) plorare > chorar
vii) clamare > chamar
viii) afflare > achar

As consoantes palatais encontraram uma expressão gráfica diversa, uma vez que eram fonemas novos no contexto das novas línguas românicas saídas do latim, o que explica alguma flutuação gráfica entre línguas românicas (é o caso da nasal palatal [N], que em português se grafa como <nh>, em castelhano como <ñ> e em francês como <gn>). A flutuação gráfica é ainda visível dentro da mesma língua, se se observar a dispersão gráfica que o grafema [S] adota em português: <xaile>, <achar>, <olhos>, <raspar>. O mesmo acontece com o grafema [Z]: <já>, <ginástica>, <rasgar>.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – palatalização na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 00:50:04]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros