Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Panamá

Geografia
País da América Central. Situado no istmo que liga a América do Sul à América do Norte, encontra-se banhado pelo mar das Caraíbas (oceano Atlântico), a norte, e pelo oceano Pacífico, a sul, e faz fronteira com a Costa Rica, a oeste, e a Colômbia, a este. Além da parte continental, tem também uma parte insular constituída por mais de 1600 ilhas situadas no oceano Pacífico. No seu conjunto, o território tem uma área de 78 200 km2. As cidades mais importantes são a Cidade do Panamá, a capital, com 445 800 habitantes (2004), San Miguelito (314 800 hab.), David (83 300 hab.), Colón (45 200 hab.) e Barú (24 000 hab.).
É um país muito montanhoso, sobretudo na parte ocidental, onde se encontram as cordilheiras Central e de Talamanea, com diversos vulcões.
Bandeira do Panamá
Clima
O clima é tropical húmido, chovendo nos meses de maio a novembro. A altitude ameniza as elevadas temperaturas e aumenta bastante a precipitação num clima já bastante chuvoso.
Economia
O Panamá tem uma economia de mercado baseada nos serviços, na banca internacional e no turismo. Existem grandes reservas de cobre, bem como depósitos de ouro, de manganésio, de bauxite, de fosfatos e de carvão. Embora a agricultura represente uma pequena percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), o país é autossuficiente em bens alimentares. As culturas dominantes são a cana-de-açúcar, a banana, o arroz, o milho, o tomate, a laranja, o café, o cacau e o tabaco. A indústria engloba os produtos alimentares, as bebidas, o sabão, os produtos farmacêuticos, o tabaco, os produtos petrolíferos, o vestuário, o mobiliário e os materiais de construção. O país é um dos maiores centros financeiros internacionais. Os principais parceiros comerciais são os Estados Unidos da América, a Alemanha, a Costa Rica e o Japão. As exportações são maioritariamente constituídas pela banana, pelo açúcar, pelo café e pelo cacau. A abertura do canal do Panamá, em 1914, entre as cidades de Balboa e de Colón, e a criação da Zona Livre de Colón, em 1953, tornou o país num dos maiores centros comerciais do mundo, uma vez que liga os oceanos Atlântico e Pacífico.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1999), é de 2,9.
População
A população era, em 2006, de 3 191 319 habitantes, o que correspondia a uma densidade de 38,86 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 21,74%o e 5,36%o. A esperança média de vida é de 75,22 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,788 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,781 (2001). Estima-se que, em 2025, a população seja de 3 570 000 habitantes. As principais etnias são a mestiça (64%), a negra e a mulata (14%), a branca (10%) e a índia (8%). As religiões maioritárias são a católica, com 80%, e a protestante, com 15%. A língua oficial é o castelhano.
História
Os Espanhóis chegaram à região em 1501 e, imediatamente, iniciaram o extermínio dos índios nativos. Em 1751, o Panamá tornou-se uma dependência de Santa Fé de Bogotá, na Colômbia. Em 1821, a Colômbia tornou-se independente da Espanha. Em 1903, com o apoio dos EUA, o Panamá revoltou-se e declarou a independência. Alguns anos depois, o Panamá assinou um tratado com os EUA dando-lhes o controlo de uma zona do Canal do Panamá, mediante o pagamento de 10 milhões de dólares e mais 250 000 dólares por ano. Em 1979, os EUA devolveram a zona, que passou a ser totalmente controlada pelo Panamá em 1999. Durante um longo período o país foi dominado pelos militares mas, em 1980, realizaram-se as primeiras eleições em doze anos. A primeira eleição presidencial realizou-se em 1984. As perturbações políticas e sociais que caracterizaram a maior parte do século XX atingiram o ponto máximo em dezembro de 1989, quando 32 000 soldados invadiram o país. Os objetivos eram salvaguardar a vida de 35 000 civis norte-americanos que viviam no Panamá, capturar o general Manuel Noriega, o chefe do Governo, e reestabelecer a democracia, combater o tráfico de droga e proteger, na integridade, o tratado sobre o Canal do Panamá. Noriega refugiou-se na Nunciatura Apostólica da capital, mas acabou por se render em janeiro de 1990. Em setembro de 1991, o Tribunal Federal de Miami, na Florida, condenou Noriega a quarenta anos de prisão por tráfico de droga. Atualmente, o Panamá é governado por um presidente que é assistido por um vice-presidente e por uma Assembleia Legislativa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Panamá na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 00:06:40]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Panamá na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 00:06:40]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais