Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Partido Comunista Português (PCP)

O partido mais antigo na cena política portuguesa foi fundado em 1921, na legalidade, integrado num regime democrático parlamentar que reconhecia a liberdade de formação e atuação dos partidos políticos. Apanhado de surpresa pelo golpe militar de 28 de maio de 1926, que deu origem à criação da Ditadura Militar (o golpe quase coincide com o II Congresso, que teve lugar a 19 e 30 de maio), só três anos mais tarde reinicia a sua atividade, na clandestinidade, sob a direção de Bento Gonçalves. Ainda não liberto das conceções anarco-sindicalistas que privilegiavam a ação violenta, armada, para o derrube do regime, o PCP participa na gorada tentativa revolucionária de 18 de janeiro de 1934, pela qual o movimento operário tentava opor-se à corporativização dos sindicatos. Foi apenas em 1935, sob orientação da Internacional Comunista, de que o partido era membro, que se orientou para táticas que tomavam em consideração, simultaneamente, três níveis de ação: clandestina, semi-legal e legal, orientação esta que nunca mais abandonará até à queda do Estado Novo, em 1974.
Várias vicissitudes marcaram a vida do partido, sem nunca o destruírem, embora em numerosas ocasiões o tenham debilitado fortemente: golpes repressivos desferidos pela polícia política, tais como a apreensão de tipografias clandestinas; prisão de dirigentes (Álvaro Cunhal e outros), deportação para o Tarrafal (Bento Gonçalves) e morte de alguns deles (Alex, Dias Coelho); dissidências provocadas pelas crises que abalaram o movimento comunista internacional, de que há a destacar o diferendo entre Estaline e Trotsky e respetivos seguidores, e a divisão entre pró-soviéticos e maoístas na década de 60, que dará origem a um movimento marxista-leninista fragmentado com uma vida que se prolonga até depois da queda do Estado Novo; defeção de dirigentes e simples militantes, questionamento da herança histórica do partido e da sua orientação atual, como consequência e reflexo dos acontecimentos ocorridos na Europa de Leste (queda do Muro de Berlim, Perestroika, desagregação da União Soviética).
Chegado o 25 de abril de 1974, numerosos dirigentes comunistas encontram-se na prisão ou no exílio, mas prontamente acorrem ao País, participando ativamente no movimento revolucionário, nomeadamente na aplicação da Reforma Agrária, na dinamização da vida sindical e na luta contra a continuação da guerra colonial. Alvo de novas formas de hostilidade (foi a vítima principal dos ataques bombistas durante o chamado "verão quente" de 1975), integrou-se na vida política democrática, aceitando o jogo parlamentar, onde tem mantido a sua representação, fomentando alianças de carácter frentista - com destaque para a CDU, coligação político-partidária fundada em 1987 e integrada pelo Partido Comunista Português (PCP), pelo Partido Ecologista Os Verdes (PEV) e por elementos da Associação de Intervenção Democrática (sendo o PCP a força dominante). Apresentou também candidatos à Presidência da República.
Carlos Carvalhas, político português, secretário-geral do PCP de 1992 até 2004
Álvaro Cunhal, político português, secretário-geral do PCP de 1961 até 1992
Jerónimo de Sousa, político português, eleito secretário-geral do PCP em 2004
Ao cabo de setenta e cinco anos de existência, representa uma força política e social sem a qual se não pode compreender a História contemporânea de Portugal, e pode alinhar nas suas memórias coletivas as figuras emblemáticas de Bento Gonçalves, dirigente na clandestinidade nos primórdios do Estado Novo, Álvaro Cunhal, reorganizador e dirigente incontestado no segundo após-guerra, e Soeiro Pereira Gomes, militante clandestino e escritor neorrealista, entre outros.
Em 1992 Álvaro Cunhal cessa funções como secretário-geral do partido e é eleito Carlos Carvalhas, que já tinha sido candidato presidencial apresentado pelo partido. Doze anos depois, em novembro de 2004 Carvalhas deu lugar a Jerónimo de Sousa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Partido Comunista Português (PCP) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 13:27:28]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Partido Comunista Português (PCP) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 13:27:28]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais