Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Paulo Bragança

Fadista e ator português, nascido em 1967, em Angola, é responsável por algumas das mais radicais transgressões feitas no fado, gerando grande polémica sobretudo na década de 1990.
O primeiro contacto que Paulo Bragança teve com o fado foi, ainda em criança, através do álbum de Amália Rodrigues gravado ao vivo no Japão. A música esteve presente desde cedo, com vários guitarristas e fadistas amadores na família.
A sua vida acompanha a diáspora. Abandonou Angola, após o 25 de abril de 1974, e fixou-se, nos Estados Unidos. Só aos 10 anos veio para Lisboa, onde o fado estava mais presente do que nunca. Estudou Direito na Universidade Clássica, mas, nas vésperas da graduação, desistiu do curso. Foi desafiado a cantar, numa festa universitária, e apercebeu-se de que o fado era a sua verdadeira vocação. Chegou a inscrever-se no Conservatório de Música, mas foi recusado. Entrou, então, no circuito das casas de fado. Contudo, logo desde o início, quis desafiar as regras rígidas do meio, questionando a tradição e encontrando arrojadas formas de se exprimir, através da música e não só.
A imagem excêntrica de Paulo Bragança é uma das suas marcas. Ao princípio, usava um casaco de cabedal e botas da tropa. Com o tempo encontrou trajes folclóricos, que lhe deixavam parte do tronco despido e passou a cantar de pés descalços - o que se tornou a sua principal imagem de marca. Assumindo-se sempre como fadista, criou inúmeras polémicas, com acusações violentas na imprensa ao meio do fado tradicional e à sua 'institucionalização'.
Em 1992, gravou o seu primeiro disco, Notas Sobre a Alma (Polygram). É um álbum bastante conservador, em que Bragança viu o seu campo de ação restringido pelos planos da editora. O álbum conta com várias composições do guitarrista Mário Pacheco e letras de Rosa Lobato Faria, Jorge Fernando, entre outros. Jorge Fernando assume também a produção.
Dois anos depois, lançou Amai (Polygram/Luaka Bop), em que exprimiu de forma mais clara o seu estilo subversivo. Produzido por Rui Vaz, Carlos Maria Trindade e o próprio Paulo Bragança, cruza o fado com samplers, coros, interlúdios, música tradicional, flamenco e pop-rock. Interpreta "Sorrow's Child", de Nick Cave, e "Adeus", dos Heróis do Mar. O álbum gerou grande polémica, mas David Byrne, o vocalista dos Talking Heads, apaixonou-se por ele, e integrou-o no catálogo da sua editora a Luaka Bop. Teve assim edição mundial. E Paulo Bragança passou a ser um dos fadistas mais internacionais, com particular destaque nos Estados Unidos.
Em 1996, lançou o seu terceiro álbum, O Mistério do Fado (Polygram), cuja capa é um retrato do seu avô. Incluindo algumas letras da sua autoria, mantém o estilo do álbum anterior. O mais surpreendente é a adaptação ao fado de "Remar Remar", dos Xutos & Pontapés.
Seguiu-se um jejum editorial de cinco anos. Pelo caminho, participou na coletânea Red Hot + Lisbon (1999), em que interpretou, acompanhado por Carlos Maria Trindade, "A Névoa". Também foi lançada uma coletânea, com os seus melhores êxitos.
Em 2001, saiu o seu quarto álbum de originais, Lua Semi-Nua (Ovação), em que radicalizou ainda mais o discurso. Produzido por José Cid, inclui algumas surpresas, como uma versão eletrónica do clássico do fado de Coimbra "Samaritana" (Álvaro Franco); uma versão de "Minha Senhora da Solidão", de Jorge Palma; ou uma 'visita' ao mundo da droga, com uma nova letra, da sua autoria, para "Fado Falado", com o título "Fado Mudado" (Paulo Bragança/Francisco Menano).
A outra grande paixão de Paulo Bragança é a representação. Chegou mesmo a inscrever-se num curso de teatro e participou no filme Tráfego (1998), de João Botelho, tendo interpretado o hino nacional.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Paulo Bragança na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 09:06:02]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Paulo Bragança na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-28 09:06:02]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais