Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Penacova

Aspetos Geográficos
O concelho de Penacova, do distrito de Coimbra, é limitado a sul por Vila Nova de Poiares, a oeste por Coimbra e a este por Tábua e Arganil. Está situado numa meia encosta, a cerca de 290 metros de altitude, e tem na base a passagem do rio Mondego. O solo não é muito fértil, é geralmente delgado e ácido, à exceção dos terrenos férteis das ínsuas dos rios Mondego e Alva.
Possui uma área que abrange 217,3 km2, subdividida em 11 freguesias: Carvalho, Figueira de Lorvão, Friúmes, Lorvão, Oliveira do Mondego, Paradela, Penacova, S. Paio de Mondego, São Pedro de Alva, Sazes do Lorvão e Travanca do Mondego.
Pormenor da Livraria do Mondego, na região de Penacova, distrito de Coimbra
Brasão do concelho de Penacova
Em 2005, o concelho apresentava 16 785 habitantes.
O natural ou habitante de Penacova denomina-se penacovense.
História e Monumentos
A povoação de Penacova aparece documentada a partir de 936, e parece ter sido vítima de um ataque Mouro. Em 1192, foi repovoada e foi-lhe outorgado um foral por D. Sancho I, confirmado em 1219. Em dezembro de 1513, D. Manuel I atribuiu-lhe um novo foral.
Do património arquitetónico, fazem parte o Pelourinho de Penacova (séc. IX/X), transformado em cruzeiro, situado junto ao local do antigo castelo, entretanto desaparecido, que deveria ter sido construído nos séculos IX ou X e baluarte cristão nas lutas com os muçulmanos, e o Pelourinho do Carvalho (séc. XVI), da época manuelina. No que se refere a monumentos religiosos são de destacar: o Mosteiro de Lorvão, que remonta a sua fundação ao séc. VI e foi reformado nos séc. XVII e XVIII, onde sobressai a fachada voltada ao exterior e os arcos da portaria da Igreja; a Igreja Matriz de Penacova (séc. XVI), que tem várias capelas e na sacristia guarda-se uma lápide romana do séc. I que prova o povoamento e romanização da vila nesta época; a capela da Nossa Senhora do Mont´Alto, que é um santuário de montanha de origem pré-histórica, embora a construção atual seja do século XVIII; e a Igreja Matriz de S. Pedro de Alva, que coincide com duas épocas construtivas (séc. XVI-XVII) e que se localiza numa área que até ao início do séc. XX era conhecida por "Farinha Podre".
Tradições, Lendas e Curiosidades
Relativamente às feiras e mercados, existe uma feira em Penacova, às segundas e quintas-feiras de cada mês, um mercado em Lorvão, no último domingo do mês, a feira de Espinheira, ao sábado, e nos dias 22 e 28 de cada mês realiza-se uma feira em S. Pedro de Alva.
O feriado municipal é no dia 17 de julho.
O concelho possui paisagens onde coexistem os moinhos de vento, nomeadamente nas serras da Aveleira e na da Atalhada e os fornos característicos de cal. Nos rios, com destaque para o Mondego, é possível fazer desportos náuticos como por exemplo circuitos de caiaque.
A nível do artesanato, destacam-se a tecelagem e os trabalhos bordados.
Economia
Apesar dos solos não serem, na generalidade, muito férteis, a agricultura é uma das atividades económicas importantes do concelho, destacando-se a produção de batata, milho, legumes, fruta, vinha e oliveira. A criação de gado representa uma grande fonte de ajuda nas receitas do agregado familiar agrícola. Com uma zona florestal que ocupa cerca de 70% dos terrenos, a exploração florestal principalmente do pinheiro bravo, do eucalipto e da acácia é a maior fonte de riqueza do concelho.
O desenvolvimento industrial tem sido gradual, não muito acentuado, talvez devido à falta de acessibilidades.
A nível do comércio, o concelho possui uma rede de abastecimentos comerciais considerada autossuficiente.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Penacova na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 16:11:12]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros