Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Persas

Fundado pela dinastia aqueménida com Ciro II (556-530 a. C.), da linhagem de Aquemeneu, o imenso império persa conheceu uma singular estabilidade, apesar das revoltas e crises de sucessão real que o agitaram na sua existência. As suas fronteiras quase definitivas foram logo conferidas por aquele imperador: do Mar Egeu ao noroeste da Índia, do Mar Cáspio ao Golfo Pérsico. Ciro respeitará as terras e povos conquistados, sendo clemente e tolerante em termos religiosos e culturais. Depois de tomar a Babilónia, restitui a liberdade aos Hebreus ali exilados e doa-lhes o mobiliário do Templo de Jerusalém, pilhado por Nabucodonosor. Seu flho, Cambises II, adicionará ao império o Egito, falhando depois a investida sobre Cartago; conquista porém a Núbia (a sul do Egito), onde morre à fome com o seu exército. Dário I (522-486 a. C.), seu sucessor, conquista a Trácia (Norte da Grécia) e o vale do Indo, depois de tomar o poder pela força. Ambicionava a conquista da Grécia, mas foi derrotado em Maratona (490 a. C.). O reinado de Dário I, mais do que qualquer outro talvez, demonstra muito bem o contributo persa para a História da Antiguidade, em todos os seus aspetos de civilização. Talvez tenha permitido a introdução do zoroastrismo - religião pregada pelo profeta Zoroastres, adoradora de Mazda, ou Bem, comum na Pérsia - no seu reinado.
No seu esforço organizativo e legislador, com tolerância e grande visão, Dário I governava o império persa, gigantesco aglomerado de povos, línguas e religiões, a partir do palácio de Susa, no planalto iraniano. Unificou primeiro a moeda e as medidas de peso (para favorecer o comércio) e abriu estradas e rotas marítimas. Dos salões do palácio real, à frente do qual estava um vizir (uma espécie de primeiro-ministro), controlava-se com eficácia todo o império. Daí, ordens e decisões eram emanadas para as satrapias - grandes circunscrições territoriais dirigidas por um governador (sátrapa) nomeado pelo imperador, com poderes para recolher impostos, formar exércitos e aplicar a justiça. Foram por Dário multiplicadas e dotadas de pessoal persa. Assistiam-lhes um secretário nomeado pelo soberano e um general comandando o exército de cada circunscrição. Para além destes altos funcionários, uma série de inspetores reais, olhos e ouvidos do imperador, corriam regularmente as satrapias, fiscalizando e aconselhando mesmo na sua administração. Este modelo seria adotado depois pelos Árabes e pelos Indianos.
Também uma rede eficaz de "correios" calcorreava as regiões do império, distribuindo correspondência administrativa escrita em aramaico, língua oficial dos funcionários, comerciantes e artesãos (foi, mais tarde, a língua em que se expressou Jesus Cristo), escrita e falada até aos confins da Índia (hoje subsiste apenas numa aldeia síria). Construiu-se, por outro lado, para facilitar a administração do império, uma estrada real ligando Sardo, na Ásia Menor (Turquia), a Susa, a capital, onde entroncavam outras vias terrestres e rotas caravaneiras, algumas ligadas a portos do Golfo Pérsico.
O "Rei dos reis", como era intitulado o imperador persa, saía regularmente do palácio de Susa ou da cidade real de Persépolis com os seus exércitos, donde se destacava a sua famosa guarda pessoal de elite, alcunhada de "10 000 Imortais". Uma sumptuosa corte acompanhava-o também. Todavia, as dificuldades de governo e estabilização no império, a partir de Xerxes I, filho de Dário, aumentarão, sucedendo-se as revoltas em várias satrapias (como no Egito, várias vezes) e os desastres na Grécia (480 ea. C., derrota naval em Salamina). A corrupção e os abusos dos sátrapas surgem cada vez mais, debilitando o império aqueménida, que soçobra perante os exércitos de Alexandre da Macedónia. Este domina-o em 330, mas deixa-se influenciar pela cultura e tolerância persas e segue o seu modelo de administração.
A produção filosófica, literária, científica, a religião e a economia persas sempre foram notáveis, despertando interesses e cobiças. Outros impérios persas existiram mais tarde, como o da dinastia selêucida, após Alexandre (fins do século IV a. C.) e o dos Sassânidas, destruído no século VI d. C. pelo Islão. Nenhum deles, porém, teve a projeção dos Aqueménidas.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Persas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 10:37:30]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais