Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Peter Greenaway

Realizador inglês nascido na cidade galesa de Newport a 5 de abril de 1942. É um dos mais controversos cineastas contemporâneos muito devido ao visualismo exacerbado e erótico que impõe nos seus filmes. Com 12 anos, matriculou-se num curso de Pintura do Colégio de Artes de Walthamstow. O seu primeiro contacto com o mundo cinematográfico fez-se em 1965, como assistente de montagem dos filmes de uma agência governamental. Em breve já dirigia as suas primeiras curtas-metragens: entre 1966 e 1983, dirigiu 25 curtas-metragens documentais e de ficção. A Zed and Two Noughts (1985) foi a sua primeira longa-metragem e causou controvérsia pela forma provocante como Greenaway analisou a vida e a morte através da relação entre uma mulher com uma perna amputada graças a um acidente de viação e dois irmãos viúvos que perderam as suas esposas no mesmo acidente. O filme que lhe conferiu maior êxito a nível internacional foi o pouco ortodoxo The Cook, The Thief, His Wife and Her Lover (O Cozinheiro, o Ladrão, a Sua Mulher e o Amante Dela, 1989). Protagonizado por Tim Roth, Helen Mirren e Michael Gambon, foi uma sátira violenta à Inglaterra contemporânea com cenas de um grafismo bastante explícito que combinava erotismo com violência. Seguiu-se The Prospero Books (O Livro de Próspero, 1991), uma adaptação livre e algo erótica de uma peça de Shakespeare que possibilitou uma das grandes interpretações da carreira de Giegud, quase nonagenário à altura das filmagens. Depois do fracasso do controverso The Baby of Macon (O Bebé de Mâcon, 1993) onde satirizava de forma violenta a Inglaterra do séc. XVII, voltou a apostar no erotismo poético e transcendente em The Pillow Book (O Livro de Cabeceira, 1996). Continuou a filmar de forma contínua quer para televisão quer para cinema, embora sem resultados comerciais de monta. A exceção foi The Man in the Bath (2001), com ótima receção por parte do público britânico, mas que permaneceu inédito comercialmente em Portugal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Peter Greenaway na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:48:52]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais