Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Pio VII

Papa italiano, Barnaba Chiaramonti era filho da marquesa Chini e do conde Cipião Chiaramonti, tendo nascido em Cesena a 14 de agosto de 1742. Ingressou em criança no Colégio de Nobres de Ravena, tendo-se depois tornado monge beneditino em Santa Maria do Monte (Cesena). Lecionou em diversos mosteiros da Ordem de São Bento, tornou-se bispo de Tivoli em 1782 e em 1785 cardeal e arcebispo de Ímola.
O seu papado ocorreu de 14 de março de 1800 a 20 de agosto de 1823. Governou num momento especialmente difícil, uma vez que Napoleão tinha invadido Itália e pretendia anexar os territórios da Igreja, pelo que inclusivamente prendeu o anterior pontífice Pio VI. Este papa foi exaltado na encíclica Diu satis, que Pio VII emitiu na altura do seu acesso à Sede de Roma, onde sobressaía também a férrea vontade de suster a Igreja perante o avanço napoleónico, algo que se tornou a marca do pontificado de Pio VII como tinha sido já das suas atividades eclesiásticas antes de se tornar um dos sucessores de São Pedro. Dado esse estado de instabilidade, o novo pontífice apenas pôde entrar em Roma em julho de 1800. Foi então nomeado secretário de Estado da Igreja o cardeal Consalvi, cujas qualidades diplomáticas representaram um valioso apoio para Pio VII.
Entretanto, o clima revolucionário em França amainou e Napoleão dispôs-se a terminar a perseguição religiosa, uma vez que o povo mostrava uma forte inclinação para a Fé, e a estabelecer a paz nos territórios conquistados. Esta aceitação da religião católica foi apenas uma manobra política que visava o maior controlo do ramo religioso, pois uma vez que o não conseguiu extinguir decidiu que traria mais proveito para o Estado o empreendimento de negociações com a Igreja. Foi assim que em 1801 se assinou uma concordata entre França e a Santa Sede, onde entre outras cláusulas o papa aceitava a República e esta declarava o cristianismo como a religião da maioria dos franceses, sendo os seus ministros remunerados, em troca dos bens eclesiásticos vendidos durante a Revolução. Extintas as ordens religiosas, Napoleão apenas permitiu na altura da sua coroação como imperador o restabelecimento de algumas instituições missionárias, dos Irmãos das Escolas Cristãs, dos paulinos (ou paulistas) e das ordens femininas cujo objetivo era o ensino.
A deificação que Bonaparte fez de si próprio e do Estado acabou com o entendimento com a Santa Sede, uma vez que substituiu a festa dedicada a Nossa Senhora no dia 15 de agosto pela do inexistente São Napoleão, emitiu um Catecismo obrigatório centrado na obediência à sua pessoa e ao Estado, invadiu a cidade pontifícia de Ancona e exigiu que Pio VII expulsasse de Roma todos os que pertencessem às nações que se encontravam em guerra com França, o que este recusou. Em 1808 o papa foi preso no palácio do Quirinal e França passou a governar os Estados Pontifícios. No seguinte ano foi deposto, algo que não aceitou, tendo por conseguinte sido levado da sua residência para Savona, onde foi impedido de conduzir a Igreja. Enquanto durou o seu cativeiro não foram feitas investiduras episcopais, o que causou uma grande instabilidade eclesiástica. Foi assim que, em 1813, Napoleão forçou o papa a assinar uma renúncia aos Estados Pontifícios em troca de uma elevada soma monetária e a ceder o direito de investidura, algo de que o pontífice se retratou mais tarde.
Entrementes foi derrotado o chefe francês, pelas forças aliadas, e no dia 24 de maio de 1814 o papa entrou de novo em Roma, onde faleceria nove anos mais tarde devido a graves problemas de saúde.
Em 1814 foi de novo estabelecida a Companhia de Jesus, assim como as restantes ordens religiosas, reestruturaram-se as missões e 1816 foram reorganizados administrativamente os Estados Pontifícios.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Pio VII na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-27 12:56:12]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros