Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Poemas do Tempo Incerto (1928-1932)

Segundo livro de poemas publicado pelas edições Presença, colige poemas escritos entre 1928 e 1932. Ressentindo-se da influência de Jules Supervielle, a quem é, aliás, dedicado, Adolfo Casais Monteiro revela ainda a leitura de Fernando Pessoa (cf. "Arte Poética": "Procura sempre aquilo que te ofenda,/ o ritmo sem ritmo, a palavra rude,/ e deixa que outros façam pitagóricos/ equilíbrios de sons, ideais e sentidos./ Procura longe de ti aquilo que não és,/ pois se o encontrares eu juro que é teu,/ que Fernando Pessoa o disse: "fingir é conhecer-se"), num volume em que a liberdade métrica, sem perda de ritmo e sem pôr em causa a distinção entre poesia e prosa, a consciência do fingimento poético, a "incoincidência da alma com o mundo" (LOPES, Óscar - Entre Fialho e Nemésio II, Lisboa, 1987, p. 706) - "Menino das mãos tombadas/ morro de excesso d'erguê-las.." "O meu destino.../ é ser cais duma estação onde nunca param os comboios..." -, o destacam do grupo presencista, aproximando-o das aquisições da modernidade. Comentando os seus primeiros livros de versos (Confusão, Poemas do Tempo Incerto, Sempre e Sem Fim), no prefácio a Versos (1944), considera ainda que Poemas do Tempo Incerto, como o próprio título sugere, corresponde a um momento de indefinição poética, reafirmando, no entanto, a conceção de poesia que estivera na sua génese, nomeadamente a defesa da autenticidade do poema: "À poesia lírica cabe exprimir o que está demasiado dentro do homem, demasiado mergulhado na sua própria carne, para que dele restasse qualquer coisa se o tentássemos explicar ou descrever".
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Poemas do Tempo Incerto (1928-1932) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 00:23:57]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros