Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Poemas Políticos, (1952-1979)

Poemas Políticos reúne grande parte dos poemas de Egito Gonçalves incluídos nos volumes A Viagem com o teu rosto (1958), Os Arquivos do Silêncio (1963), O Fósforo na Palha (1970) ou publicados dispersamente em jornais, revistas e volumes coletivos. A antologia obedece ao critério de coligir composições consideradas como representativas de uma poesia militante, reflexo de uma situação política de censura e ditadura, ou sugerida por acontecimentos históricos concretos explicitados pelo autor numa "Nota" final à edição. A descodificação plena dos Poemas Políticos depende, pois, dessa contextualização revelada na "Nota do Autor", sem a qual apenas acederíamos a um sentido parcial ou difuso do texto poético, tanto mais quanto a produção poética sob a censura obrigou a estratégias de ocultação do referente histórico ou político a que as composições aludiam (sobre a distinção entre poema emocional e poema político, cf. Fernando J. B. Martinho - Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa na década de 50, 1996, pp. 380-381). Em algumas composições, a relação entre o enunciado poético e os acontecimentos evocados é concebida de forma intencionalmente enigmática e atravessada por uma imagística surrealizante que tornam, ao leitor que não possua os mesmos denominadores históricos, inacessível o seu contexto concreto como, por exemplo, em "Eleição". A antologia, que abre com um dos poemas mais conhecidos pela intelectualidade portuguesa da oposição ao regime, e que deu título à publicação Notícias do Bloqueio, faz reviver um contexto de catástrofe bélica e opressão humana, a que o sujeito poético imprime frequentemente uma nota discreta de amarga ironia ("É necessário inventar uma gigantesca correia-sem-fim / que produza diariamente milhares de soldados, / que taylorize o exército e bata os recordes de produção." (in "Edital"). A certeza de que um dia todas as atrocidades serão passado, que a libertação virá mais tarde ou mais cedo condenam o sujeito poético a uma vida adiada ("Escreverei mais tarde / saudades da infância / e de pedras e rosas / sem dúbios sentidos. // Escreverei mais tarde / de um anel muito simples / e das tardes plenas / em que o amor se inscreve. // Mas agora deixai-me/ chorar sobre estas lágrimas.", in «Mais tarde sim») e a suportar indefinidamente o «Rolar do tempo», as "longas horas" em que vela o estertor dos homens, numa espera cansada e que parece já inconcebível ("Creio termos sido feitos para amar / tranquilos. Creio sermos velhos / e termos já sofrido o necessário/ para comer em paz e ver o sol / cada manhã subir um novo dia / sem angústia alicerçada no nascente", in "Creio termos sido feitos para amar"). A parte final da coletânea é reservada essencialmente a composições que homenageiam personagens ou poetas contemporâneos que tiveram um destino trágico.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Poemas Políticos, (1952-1979) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 09:25:00]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros