Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Política Africana de D. Sebastião

D. Sebastião (1554-1578), rei de Portugal, era filho do príncipe D. João e de D. Joana de Áustria, tendo sucedido na linha hierárquica ao seu avô D. João III.
Desde muito cedo D. Sebastião manifestava duas grandes paixões: a guerra e o zelo religioso.
Quando atingiu a maioridade, D. Sebastião afastou-se do partido de D. Catarina de Áustria, sua avó, cuja política pendia para o lado espanhol, e do partido do cardeal D. Henrique (cunhado de D. Catarina) de tendência nacionalista, aliando-se ao partido dos validos, dispostos a seguir as suas pisadas.
D. Sebastião, rei de Portugal de 1557 a 1578
Devido ao seu temperamento impulsivo, acalentou a esperança de se tornar um verdadeiro cruzado. Já que não possuía planos políticos nem paciência para governar Portugal, manifestando-se no facto de não se interessar pela opinião do povo, nunca ter convocado cortes e de nunca ter administrado a justiça fora de Lisboa, D. Sebastião pôde iniciar a sua política ultramarina.
Recorreu a várias fontes para obter dinheiro para subsidiar a sua expedição a África.
Em 1572 nomeou Rui de Sousa para capitão-mor de Tânger, no intuito deste alargar o seu domínio. Morto em combate, foi substituído por D. António, prior do Crato, em 1574.
Porém, D. Sebastião acalentava o sonho de ser ele a combater em África e, para isso, preparou sem dizer nada a ninguém a sua expedição.
Sem qualquer plano estratégico partiu para Ceuta e, daqui, seguiu para Tânger.
Contudo, D. Catarina obrigou-o a regressar e D. Sebastião, reconhecendo a impossibilidade de conquistar Larache e Arzila, acabou por ceder.
Inquieto pelas lutas que os mouros iam desencadeando em África, como é o caso do xerife de Marrocos, Mulei Maamede, ter sido destronado por Mulei Almélique, auxiliado pelo sultão da Turquia, as suas esperanças aumentavam, arranjando um pretexto para prosseguir a sua investida.
Segundo D. Sebastião, se Almélique conquistasse Marrocos com o auxílio da Turquia, os Turcos teriam a possibilidade de, a partir de Larache, atacar as costas da península, conseguindo entrar no comércio da Guiné, Oriente e Brasil. Urgia, assim, conquistar Larache.
São estas as razões que D. Sebastião apresenta a Filipe II no Santuário de Guadalupe em dezembro de 1576, quando lhe propõe uma ação militar conjunta. Como o rei se recusou a ajudá-lo, D. Sebastião obteve o apoio do duque de Alba. Porém, os meios militares e financeiros eram escassos.
Os preparativos arrastaram-se pelo ano de 1578, enquanto no país já reinava o desânimo, uma vez que esta expedição podia levar Portugal à ruína.
Face a esta situação, D. Sebastião nomeou um grupo de governadores e, a 24 de junho de 1578, partiu com a sua armada. Após alguns dias em Lagos e Cadiz, chegou a Tânger donde partiu para Arzila, governada por D. Duarte de Menezes. Esta demora deu tempo ao chefe mouro para se preparar, tomando a guerra, a partir daqui, uma vertente santa. Não tendo em conta o plano inicial, a 29 de julho de 1578 o rei partiu de Arzila rumo a Alcácer Quibir, por terra, para dali entrar em Larache. Porém, no dia 4 de agosto de 1578 o exército lusitano, cansado por este esforço suplementar, foi derrotado na célebre Batalha de Alcácer Quibir, onde D. Sebastião acabou, pretensamente, por perder a vida em combate.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Política Africana de D. Sebastião na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-29 20:05:14]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros