Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Praia da Vitória

Aspetos Geográficos
O concelho da Praia da Vitória localiza-se na Região Autónoma dos Açores (RAM) (NUT II e III) na ilha Terceira. A ilha pertence ao grupo central do arquipélago dos Açores. O concelho é limitado a sul, oeste e sudoeste por Angra do Heroísmo, e a norte e a leste pelo oceano Atlântico. Ocupa uma superfície de 162,3 km2, distribuída por 11 freguesias: Agualva, Biscoitos, Cabo da Praia, Fonte do Bastardo, Fontinhas, Lajes, Quatro Ribeiras, Santa Cruz, São Brás e Vila Nova.
Em 2005, o concelho apresentava 20 055 habitantes.
Igreja Matriz de Vila Praia da Vitória, na ilha da Terceira, Açores
Brasão do concelho de Praia da Vitória
O clima nesta região é ameno e húmido, com temperaturas médias que oscilam entre os 14 ºC e os 22 ºC, e com uma precipitação regular ao longo do ano, responsável pela fertilidade dos solos e pela existência de alguns recursos hídricos, de que são exemplo as ribeiras Seca, das Pedras e dos Pães. O relevo é caracterizado por basaltos, materiais de projeção e andesitos, sendo constituído por várias formações geológicas, nomeadamente: ilhéu do Norte, Servidão (369 m), Pico Alto (808 m), Ponta da Má Merenda, Baía do Zimbral e Ponta da Serra das Lajes.
História e Monumentos
Inicialmente designada por Praia, foi uma das primeiras povoações e sede da capitania da ilha Terceira, a terceira ilha a ser descoberta. O povoamento da Terceira começou entre 1456 e 1474.
Desde o início, a vila dedicou-se à agricultura e exportação de pastel. O seu porto também contribuiu para o desenvolvimento económico do concelho, dada a sua localização estratégica nas rotas comerciais marítimas, tornando-se entreposto de especiarias do Oriente e metais preciosos da América.
A povoação viveu uma época de prosperidade durante os séculos XV e XVI.
Em 1580 travou-se a Batalha da Salga, que ficou conhecida pela estratégia de usar gado bravo para encurralar o inimigo. Em 1582, D. António Prior do Crato foi aclamado rei quando desembarcou na vila. No entanto, a ilha acabou por ser ocupada pelos espanhóis, tendo sido o último território a render-se. Depois da Restauração da Independência de Portugal, Praia tornou-se vila em 1640.
No século XIX, participou ativamente nas lutas liberais, tomando o partido dos liberais e derrotando uma armada miguelista de 21 embarcações em 1829. A ilha tornou-se então na principal base dos liberais. Em 1832, a armada partiu em direção ao Mindelo, proclamando a Carta Constitucional. Em 1837 foi acrescentado Vitória ao nome da vila, em memória da resistência e vitória dos liberais açorianos sobre os absolutistas em 1829.
Um violento sismo em 1841 destruiu parcialmente a vila; contudo, esta não perdeu a sua importância económica e continuou a desenvolver-se.
Em finais do século XIX e início do século XX, Praia da Vitória passou uma fase de baixo protagonismo. A construção do novo porto atlântico e do aeroporto militar e comercial das Lajes, o principal do Açores, contribuíram significativamente para o relançamento do desenvolvimento no concelho. Em 1981 é elevada a cidade.
Do património arquitetónico do concelho destaca-se a Igreja Matriz, fundada em 1456, e que foi alvo de várias reconstruções devido a abalos sísmicos, conservando apesar disso os pórticos ogivais, a rosácea, a abóbada e as capelas manuelinas. São de referir também várias outras igrejas e conventos, nomeadamente as ruínas do Convento de São Francisco (1450), a Igreja do Senhor Santo Cristo (século XVI), a Igreja de S. Mateus (século XIX-XX), a Igreja de Nossa Senhora da Luz (século XVI) e a Igreja de S. Sebastião (século XV). Os edifícios da Casa do Espanhol (séculos XVI-XVII), que remontam à ocupação espanhola, o Hospital dos Lázaros (1520), a Santa Casa da Misericórdia (1492) e os Paços do Concelho (século XVI), com uma torre sineira, constituem pontos de interesse do concelho.
De natureza militar, destacam-se vários fortes: o forte de Santa Catarina, o forte das Chagas, o forte do Espírito Santo, o forte Grande e o forte Negrito, sendo estes dois últimos edificados no século XVI como defesa contra a invasão espanhola.
Tradições, Lendas e Curiosidades
A atividade cultural no concelho é marcada pelas festas do Espírito Santo, celebradas em praticamente todas as ilhas. Estas festas remontam aos primeiros colonos, que pediam a proteção contra os desastres naturais. O ritual inclui a coroação de uma criança, que usa o cetro e uma placa de prata, símbolos do Espírito Santo, tendo lugar uma grande festa no sétimo domingo depois da Páscoa. As festas são-joaninas ou festas da cidade decorrem de 23 a 29 de junho, em que se celebram os santos populares: Santo António, São João e São Pedro. Estas festas incluem as touradas à corda típicas da Terceira e um cortejo etnográfico com alfaias agrícolas e trajes tradicionais. As touradas à corda foi uma tradição levada pelos espanhóis, que remonta ao século XVI, em que as investidas do touro são controladas por cordas que prendem o animal. É de destacar também o Carnaval, que inclui as "Danças do Entrudo".
A nível de artesanato destacam-se as colchas de tear manual, os bordados em linho com motivos tradicionais e as rendas, as flores artificiais, os barretes de pastor típicos, chinelos garridos, violas de arame, esculturas e objetos em diversos materiais, nomeadamente dente e osso de baleia, chifre de bovino, cedro, barro e vime.
Ainda no aspeto cultural, é de referir o Museu do Vinho, onde se explica o método de produção do verdelho, o vinho típico dos Açores que chegou a ser exportado para a corte russa.
A história da Batalha da Salga está ligada a este concelho: em 1581, a armada espanhola desembarcou de madrugada na baía de Salga com o objetivo de ocupar a ilha. Um vigia da população da ilha deu o alarme; contudo, os espanhóis eram em grande número e já haviam começado o saque. A população opôs-se aos invasores, incluindo as mulheres, entre as quais se distinguiu a jovem Brianda Pereira. A batalha prolongou-se pela manhã, até que o Frei Pedra pensou na estratégia de usar o gado bravo contra os atacantes para os dispersar. A ideia resultou, os espanhóis foram empurrados para o mar, ficando encurralados, e a maior parte deles morreu na luta ou afogados enquanto tentavam chegar aos seus barcos.
Economia
Praia da Vitória é um concelho dedicado essencialmente ao setor primário, em que 48,1% da área do concelho se destina à exploração agrícola. O cultivo é praticado em pequenas explorações, destacando-se as culturas forrageiras, a horta familiar, as culturas permanentes de citrinos, frutos frescos e vinha, os prados, pastagens permanentes e os prados temporários.
No que respeita à pecuária, os bovinos, os suínos e as aves constituem as principais espécies de criação de gado.
A região apresenta uma densidade florestal de 21%, que corresponde a uma área de 166 ha, salientando-se as espécies cedros, zimbros e loureiros.
A indústria existente no concelho baseia-se nos produtos criados no território. No setor secundário destaca-se a indústria dos laticínios.
As principais atividades e atrações turísticas que se podem encontrar no concelho e por toda a ilha consistem em passeios, visitas guiadas às grutas, zonas balneares, mergulho, pesca, golfe, prática de vela, de windsurf, de esqui aquático e de escaladas.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Praia da Vitória na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-29 08:47:08]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais