Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros
< voltar
< 1 min

Pranto

Enquanto originário do plamb provençal, este subgénero consiste na expressão da dor sentida pela perda ou desgraça de uma pessoa ou coisa querida. No entanto, os exemplos que ficaram aproximam-se do planctus da poesia clerical que consistem em lamentações pela morte do senhor ou do protetor. Na literatura galego-portuguesa, o exemplo por excelência deste género é o segrel Pero da Ponte, que celebrou em sentidos versos a morte de D. Beatriz, de D. Lope Diaz de Haro, D. Telo Afonso de Menezes e a do seu protetor San Fernando.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Pranto na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 08:42:35]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros