Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Presidência portuguesa do Conselho da UE

Pela segunda vez na história da União Europeia (UE), Portugal assumiu a presidência desta instituição plurinacional. A primeira vez ocorreu no primeiro semestre de 1992. Antes de mais, convém salientar que esta presidência não tem funções e papéis definidos pelos Tratados da UE. Estes preveem, sim, responsabilidades especiais em matéria de União Económica e Monetária, Política Externa e Segurança Comum, bem como de Cooperação Policial e Judiciária em termos de Matéria Penal. O Conselho da Europa de 1995, na sequência da adesão da Áustria, Suécia e Finlândia, alterou a ordem segundo a qual os Estados membros exercem a Presidência, colocando Portugal a seguir à Finlândia e antes da França.
Assim, em 1 de janeiro de 2000, Portugal assumiu as funções da Presidência da UE, tendo como principais objetivos :
- preparar a adesão de novos Estados à UE;
- promover a reforma institucional da UE, iniciando uma nova Conferência Intergovernamental (CIG);
- assegurar o debate sobre reformas de carácter social e económico;
- consolidar a União Económica e Monetária (UEM) para estimular o crescimento;
- aprofundar a cidadania europeia, aproximando os cidadãos da União;
- reforçar a dimensão e imagem externa da UE, através da cooperação e diálogo;
- criar estruturas de segurança e defesa comuns na UE, bem como de ação diplomática externa concertada e em compatibilidade com outros organismos existentes (NATO, por ex.);
- garantir a criação de um espaço de liberdade, segurança e justiça na UE;
- estimular o debate em torno das questões ainda em aberto no seio da UE;
- garantir, no Conselho da União, um entendimento em relação ao Estatuto dos Deputados ao Parlamento Europeu.
As áreas prioritárias da Presidência portuguesa foram:
- o alargamento da UE (negociações avançadas com Chipre, Eslovénia, Estónia, Hungria, Polónia e República Checa);
- a reforma das instituições, através da CIG;
- o emprego, reforma económica e coesão social (tendo em conta a globalização, as novas tecnologias e a informação, com destaque para a Internet e as telecomunicações);
- a política externa e segurança comum (PESC);
- o espaço de liberdade, segurança e justiça;
- a saúde pública e segurança alimentar;
Perante estes objetivos centrados nas áreas prioritárias atrás mencionadas, Portugal tinha pela frente uma tarefa difícil e uma fasquia bastante elevada, que poderia suscitar problemas vários. De facto, logo no início da Presidência, começou a sentir-se uma ameaça de divisão na UE, que não mais deixou de pairar durante os seis meses. Assim, logo em janeiro, 14 dos Estados-membros da UE decidiram congelar as suas relações políticas bilaterais com a Áustria. Este "embargo" político gerou-se devido à coligação governamental daquele Estado incluir membros de um partido considerado de "extrema-direita" (a FPÖ), liderado por Jörg Haider um político radical e mal-amado na Europa devido ao seu pretenso "neonazismo". No entanto, o problema austríaco, apesar de ensombrar a UE, nunca travou a progressão dos Quinze, o que se deve em parte à ação diplomática da Presidência portuguesa, a par do lançamento de algumas "sanções" ao governo de Viena.
Para além de evitar o aprofundamento desta dessintonia euro-austríaca, a Presidência portuguesa da UE lançou um dos seus maiores trunfos, que acabou por marcar a sua ação política: a definição da "nova economia" como geradora de mais riqueza e empregos na UE. Também dentro das suas áreas prioritárias e objetivos, esta Presidência ficou marcada pela introdução na agenda europeia do debate em torno das políticas sociais dos Estados-membros, da elaboração de um acordo fiscal (no Conselho ECOFIN, na Cimeira da Feira, à última hora, com a cedência da Áustria) e pela realização de uma cimeira África-Europa (3 e 4 de abril, Cairo, Egito), que quase não sucedia e por pouco não resultou num "fiasco", ainda que se tenha avançado com um perdão parcial das dívidas externas dos estados africanos. A questão dos direitos humanos ensombrou esta cimeira.
Relativamente à questão austríaca, a Presidência portuguesa, na sua parte, tentou atenuar o isolamento de Viena face aos restantes Estados-membros da UE, embora a situação se mantenha num impasse político e a gerar um sentimento anti-europeu não só na Áustria como em outros países dos Quinze.
Entre outras marcas desta Presidência, assinale-se o acordo alcançado sobre a Lei Europeia da Água e o lançamento da futura política de defesa comum da UE e do seu corpo militar, previsto já para 2003. Criaram-se já órgãos político-militares preparatórios, autónomos da NATO, já englobados no processo de transferência das competências da União Europeia Ocidental (UEO, de que Portugal ocupou também a Presidência no 1º semestre de 2000) para a UE e no quadro de relações desta com a NATO. Em relação à reforma das instituições e do processo de decisões da UE, Portugal não conseguiu realizar a CIG nem avançar com uma data para a sua concretização, mas preparou, para a presidência francesa, o dossier de negociações para tal fim. Devido a este adiamento da CIG, não se avançou muito em relação ao alargamento da UE a novos países (10 países do Leste europeu mais Chipre e Malta), ainda sem datas nem calendário negocial definido, embora se tenham mantido os contactos e negociações relativos aos processos de adesão já abertos.
Realizaram-se também cimeiras trimestrais da UE (na pessoa do seu presidente em exercício, António Guterres, primeiro-ministro de Portugal) com os EUA (Bill Clinton), Rússia (Vladimir Putin) e Canadá (Jean Chrétien), em Lisboa e Moscovo. Realizou-se também a primeira Cimeira UE-Índia (Lisboa, 28 de junho). Em termos de Presidência, esta mediu o seu pulsar governativo em duas cimerias entre os Estados-membros da UE: março, em Lisboa, e junho, em Sta. Maria da Feira.
Em traços gerais, a Presidência portuguesa da UE ficou marcada pela questão austríaca, pelo adiamento da CIG, pela definição das linhas orientadoras da estrutura europeia de segurança e defesa comum e pela consolidação da "nova economia" ao serviço do emprego e da estabilidade social e económica, no sentido de retirar o maior conjunto possível de benefícios da globalização. Para muitos analistas, foi mesmo a Presidência da Internet, da sociedade da informação e das telecomunicações. Apesar de tudo, a construção da Europa não parou, conhecendo agora novas perspetivas.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Presidência portuguesa do Conselho da UE na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-21 07:28:23]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais